sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Cientista diz que variante britânica do coronavírus varrerá o mundo

Para Peacock, a humanidade precisará de pelo menos 10 anos para finalmente controlar o vírus. “Assim que controlarmos [o vírus] ou ele sofrer mutação para deixar de ser virulento – causando doenças – podemos parar de nos preocupar com isso. Mas acho que, olhando para o futuro, faremos isso por anos. Ainda faremos isso daqui a 10 anos, na minha opinião”, afirma a cientista.

A grande preocupação com relação à variante B.1.1.7 é com o seu alto poder de transmissão. Detectada pela primeira vez em setembro de 2020 na Inglaterra, ela já foi encontrada em mais de 50 países. Os especialistas acreditam que essa variante esteja passando por novas mutações, o que pode comprometer a eficácia das vacinas.

Nova variante em Bristol

Além da B.1.1.7, outra variante preocupa as autoridades sanitárias no Reino Unido. Identificada como variante de Bristol, a nova cepa pode infectar pessoas que já tiveram covid-19 ou que já foram vacinadas contra a doença.

Ainda não se sabe, porém, se ela é mais contagiosa que a britânica descoberta primeiro.

Segundo o serviço público de saúde britânico, os casos identificados em Bristol têm em comum a mesma mutação registrada nas variantes da África do Sul e do Brasil.

Vale lembrar que novas mutações tendem a aparecer enquanto o vírus estiver em circulação. Quanto mais altas as taxas de contágio, maiores as chances de novas variantes do coronavírus surgirem.

Fonte: BBC

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.