quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

Em livro, jornalista Wilson Ibiapina resgata 'causos' vividos por cearenses

A vasta experiência do jornalista Wilson Ibiapina o fez referência da imprensa cearense em Brasília. Outro destaque na trajetória do comunicador é o apreço pelo resgate das memórias, sobretudo no que diz respeito aos relatos contados pelos conterrâneos. A escuta atenta destes “causos” e os anos de estrada profissional foram essenciais à produção de “Histórias de Gente da Gente”, primeiro livro do autor.

Composta por 294 crônicas, a obra reúne textos inéditos e outros já publicados em jornais e no blog administrado pelo escritor, o “Conversa Piaba”. Maior parte das histórias registradas foi vivenciada por Ibiapina. São fruto das inúmeras viagens por outros países. Tramas ouvidas em conversas com amigos cearenses que residem na capital federal.

“Todos são fatos verídicos, escritos ao longo do tempo. Uns presenciei, outros me contaram”, revela o jornalista nascido em Ibiapina, cidade localizada a 360 km de Fortaleza. O realizador explica que a ideia de reunir as crônicas jornalísticas em uma produção literária surgiu em março deste ano, mês que demarcou o início do isolamento social.

O livro está pronto. Devido à pandemia da Covid-19, a tradicional noite de autógrafos foi dispensada. Em Fortaleza, o leitor pode adquirir a publicação no Espaço Cultural Clube do Bode (Rua Dom Joaquim, 54 – Meireles). No DF, o livro é vendido na Casa do Ceará em Brasília (SGAN Quadra 910 Conjunto F Asa Norte).

A medida busca evitar aglomerações. As crônicas registradas no “Histórias de Gente da Gente” foram produzidas a partir da minha visão jornalística, sem pretensão intelectual ou literária”, revela o autor. 

O também jornalista Carlos Henrique de Almeida Santos assina apresentação do trabalho. “O que fica da leitura das crônicas é um testemunho de vida. Vida múltipla e vária que nos trouxe o autor desde a Serra Grande a Fortaleza, daí ao Rio de Janeiro, até aportar em Brasília. É uma coletânea de textos selecionados entre tantos que publicou em jornais e em seu blog”, detalha na orelha do livro.

Olhar 

Carlos Henrique ainda detalha que Ibiapina preza a profundidade destas vivências. “É um observador acurado da miséria e da grandeza do Ceará e sua gente. E conta tudo como se estivesse tomando um trago com você e comigo, na mesa do botequim. E há sempre um traço de humor e leveza na captura de personagens e situações únicas de sua riquíssima memória”, contempla Henrique.

O jornalista Fernando César Mesquita lembra: “são dezenas de situações a desfilar nos textos de Ibiapina, a exemplo da atriz Ava Gardner e seu romance com o cantor Carlos Augusto. Em mais de 70 capítulos, o autor acompanha a trajetória das “meninas’ de vida difícil desde a construção de Brasília até hoje nos salões dos edifícios do Congresso Nacional”.

Sobre a pretensão de lançar a segunda edição da obra, o autor responde em tom de brincadeira. “Só se a pandemia demorar um pouco mais”.

DN

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.