terça-feira, 25 de agosto de 2020

Eleições 2020: Cenário eleitoral em Ipueiras começa a se desenhar


O cenário político de Ipueiras aos poucos vai se desenhando. Para as eleições de 2020 três nomes vêm se apresentando como pré-candidatos à prefeito e com perfis distintos, cada um busca atrair o eleitorado.

Mesmo após o ex-prefeito Titico amargar derrota nas três últimas eleições municipais, estando inelegível, tenta mais uma vez colocar o seu filho, Júnior do Titico (MDB), candidato derrotado nas eleições de 2016, para disputar as eleições deste ano. Júnior do Titico aposta na sua juventude e no discurso de mudança como grande diferencial. Um dos pontos negativos da sua candidatura apontados por fontes ligadas a ala oposicionista é a falta de experiência do pré-candidato, principalmente porque a relatos de que o mesmo nunca trabalhou o que, segundo fontes, coloca em dúvida a sua capacidade para assumir tão relevante e exigente cargo de prefeito, além do grande desgaste político do seu genitor e mentor político. Considerável parcela do eleitorado vê com desconfiança o discurso de mudança de Júnior, para eles o mesmo representa uma volta ao passado principalmente em razão da mentoria aparente do seu pai.

Robertinho da Nova Fátima (PODEMOS), por sua vez, busca atrair o eleitorado Bolsonarista no Município e tem no Presidente da República sua grande inspiração política. Embora o pré-candidato defenda essa bandeira, nos bastidores de oposição há rumores de que o mesmo estaria lançando seu nome como forma de contribuir com a pré-candidatura de Júnior dado que o mesmo, em suas manifestações, sempre o poupa de suas críticas, direcionando todas elas ao atual prefeito e também pré-candidato Nenem do Cazuza. 

Nenem do Cazuza (PDT), venceu todos os pleitos que disputou, aposta nas realizações e conquistas de suas gestões como prefeito. Recentemente anunciou e inaugurou importantes obras de desenvolvimento. Líder de um grande grupo político, a rumores de que Nenem do Cazuza tem como desafio administrar sua base e suas divergências internas. É notório que em toda a sua trajetória política o atual gestor jamais contou com uma base tão forte, apenas a título de ilustração, dos 13 vereadores do legislativo municipal, 11 são da sua base política e apenas 2 são de oposição. Vai ser preciso muita liderança para manter a coesão entre vereadores já eleitos e as novas caras que vão surgindo.
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.