segunda-feira, 6 de julho de 2020

Após desistência, Fabiano Lobo volta a ser pré-candidato e movimenta os bastidores


Com a prorrogação das eleições para novembro, os bastidores políticos ganharam mais tempo e efervescência para acertar as definições que levarão aos candidatos. Aos poucos, o clima que antecede o processo já começa a ganhar corpo entre os quiterienses. Neste final de semana, o ex-prefeito Fabiano Lobo (PDT) abriu mão da desistência anunciada em março e colocou sua pré-candidatura novamente na praça.

Há 
quatro meses, em decisão conjunta com sua mãe, Fabiano havia retirado o seu nome do páreo e anunciou neutralidade em relação a apoios. Sobre isso, ele justificou, através de um áudio, que tomou tal medida porque o processo de discussão “estava muito baldeado, bagunçado e as definições iam demorar muito”, no entanto, os desdobramentos da pandemia o fizeram repensar.

“Sentindo que este espaço que foi deixado por mim, se de maneira feliz ou infeliz, não foi preenchido, muita gente disse que não iam votar, que estavam desestimulados, porque a gente não iria disputar e foi em decorrência deste espaço não preenchido, que eu comecei a repensar a minha volta ao cenário”, afirmou. Anteriormente, seu grupo chegou a tentar construir entendimentos com o também postulante Marcelo Magalhães (PTB), porém não houve avanços.

O esfacelamento da oposição, que nunca conseguiu costurar uma união, e a pressão de líderes do PDT em ter uma candidatura própria em Santa Quitéria, também foram fatores levados em consideração pelo ex-prefeito. Na semana passada, uma reunião em Fortaleza com Fabiano e outros nomes da política local e estadual foi fundamental para que sacramentasse o seu retorno.

Para os Lobos, a eleição de 2020 terá um grande revés: será a primeira com a ausência do velho Luciano, força pujante da campanha. A baixa expressividade de seus candidatos em 2018 e a fragmentação de parte das suas bases também serão dificuldades que impactarão na família.

Atualmente secretário da Habitação na Prefeitura de Fortaleza, Fabiano Magalhães de Mesquita deverá fazer a sua decisão até 15 de agosto, quando será o prazo final para se desincompatibilizar do cargo. Até lá, pesquisas eleitorais tentarão mensurar este período de ausência e a sua volta. Entre 31 de agosto a 16 de setembro (convenções) e 26 de setembro (registro das candidaturas), tudo poderá acontecer, inclusive nada.

Fonte: AVS

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.