domingo, 29 de março de 2020

A incapacidade política de um certo “Chico Rico”

Chico Rico nunca foi dono de uma cultura política razoável, mas apesar disso, soube se destacar no mundo dos negócios. Nos idos dos anos 80 em Nova Russas, o descarnado aprendiz era balconista no comércio do “Seu Ivan”, foi lá que ele deu seus primeiros passos no mercado local. Já nos anos 90, trabalhou com tubos e conexões para irrigação, obtendo aporte financeiro do Banco do Nordeste.

Doutor nos negócios e analfabeto político, Chico Rico começou a construir seu império quando decidiu abrir uma loja de material de construção, ganhando visibilidade e mercado. Anos mais tarde, decidiu investir em hotelaria, loja de automóveis e em uma rede de postos de combustíveis. O empresário ganhou destaque com brevidade. Realiza aumentos injustificados na bomba, cobrando de forma abusiva o litro do combustível, não obedecendo a Agência Nacional do Petróleo e o Procon. O combustível comercializado em seus postos é considerado o mais caro do estado do Ceará.

Empolgado com a sua ascensão comercial, o pretensioso lojista , que sofre de uma anomalia séria, “anencefalia política”, quis ousar. Chico Rico decide em 2016 apresentar a sua cônjuge e então vereadora na época como candidata a vice-prefeita, o resultado todos nós sabemos. Perdeu! Após quatro anos, ensaiou a pré-candidatura da “patroa” e naufragou antes do tempo.

Deu no rádio: Chico Rico quis encabeçar o grupo oposicionista a pão e água. Os notáveis políticos percebendo a intenção do ladino e avarento comerciante, logo trataram de cair fora deixando-o só. Acredito que as lideranças tomaram para si um ditado popular bem conhecido: “Cada macaco no seu galho”. Porque de política o aspirante não tem astúcia nenhuma.

Carlos Moreira é radialista 
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.