sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Bolsonaro anuncia aumento de 12,84% para professores da educação básica


Durante transmissão ao vivo em suas mídias sociais, nessa quinta-feira, 16, Jair Bolsonaro anunciou que concederá aumento de 12,84% para os professores da educação básica no país. Ao lado do ministro da Educação, Abraham Weintraub, o presidente disse que essa é uma resposta aos protestos que aconteceram em 2019 contra o governo e o Ministério da Educação.
“Tem muitos estudantes que foram às ruas contra você no ano passado”, disse Bolsonaro, sorrindo, a Weintraub. “Contra o senhor. Eu sou apenas um instrumento, presidente”, rebateu o ministro. “Na realidade, o dinheiro não é meu, nem seu, é do povo. Agora nós estamos retomando a quem é de direito”, respondeu o presidente.
Bolsonaro ainda fez uma crítica ao ex-presidente Lula. “Eu não vou parafrasear o ‘9 dedos’, mas nunca na história teve um aumento acima da inflação real. Porque no passado tinha inflação. O PT ia levar o Brasil de volta para a inflação”.
Segundo Weintraub, o aumento está abaixo da expectativas diante do papel dos professores da educação básica na sociedade. “Eu sei que ainda é baixo em relação ao que deveria ser, porque são esses professores que são os heróis. Então, está saindo de R$ 2.557 para R$ 2.886, que é o salário de referência na maior parte dos estados e municípios”, disse o ministro.
Ainda de acordo com o presidente e o ministro da Educação, governadores do Nordeste tentaram vetar o reajuste dos salários dos professores. Weintraub explicou que os governadores não queriam que houvesse ligação entre o aumento do salário e o aumento da arrecadação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).
“Porque o reajuste, ele vem, presidente, da melhora que o senhor está proporcionando na economia. Como a economia está melhorando, aumentando a arrecadação, o Fundeb, que é o fundo que a gente manda para estados e municípios bancarem a educação, ele é fruto dessa melhora geral da economia. E esse dinheiro, que iria pra eles, eu presenciei a pressão para que o senhor vetasse, a ligação entre o aumento do Fundeb para o aumento do salário dos professores. Ia sobrar mais dinheiro na mão dessa turma. E o senhor não cedeu à pressão e falou: ‘Não, a prioridade é o professor, não vou vetar’”, disse o ministro.
Também participaram da live dessa quinta-feira, 16, o secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, e o secretário Nacional da Pesca, Jorge Seif Junior, além de um intérprete de libras.
Fonte: Focus 
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.