quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Vereadores elegem quase metade dos conselheiros tutelares


Parlamentares na Câmara Municipal de Fortaleza tiveram participação direta na eleição de pelo menos 18 conselheiros tutelares. A influência fica mais clara quando números do Núcleo de Dados do Sistema Verdes Mares apontam que, dos 40 novos conselheiros tutelares de Fortaleza, 26 são filiados a partidos políticos. Há quem exerça presidência partidária, suplência de vereador e históricos de disputas eleitorais.
A influência política, no entanto, não se resume à filiação. Nos bastidores, a eleição do Conselho Tutelar foi uma medição de forças entre lideranças locais e revelou-se um termômetro do que está por vir na eleição de vereador no próximo ano. Uma prévia da disputa das Eleições 2020.
Praticamente todos os conselheiros eleitos — e também os suplentes — têm ligações com vereadores ou outras lideranças que estão de olho em uma vaga na Câmara Municipal na próxima disputa. Nos corredores da Câmara, comentam-se os nomes de parlamentares que conseguiram eleger aliados e também aqueles que saíram derrotados do pleito.
As alianças políticas começam a ficar claras quando se olha para o topo da tabela de votos. Os dois candidatos mais bem votados, Irene Lima e Marcos Farias, são filiados ao Republicanos, ex-PRB, desde 2007, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 
Ambos são liderados do ex-deputado federal Ronaldo Martins e do vereador de Fortaleza Carlos Dutra, de quem Marcos Farias é chefe de gabinete. Tanto Marcos como Irene têm fotos e outros registros públicos com os líderes e em atividades na Igreja Universal do Reino de Deus.
Quarta colocada na lista, a conselheira eleita Elvira Evangelista é esposa do vereador de Fortaleza, Emanuel Acrízio (PRP) e filiada, desde 1995, ao PSB. Acrízio, em primeiro mandato parlamentar, começou a atuação pública como conselheiro tutelar. A esposa obteve 2.527 votos na disputa.
A lista que circula de mão em mão e nas pranchetas dos vereadores aponta, pelo menos, 18 parlamentares como padrinhos de candidatos eleitos ao Conselho Tutelar. 
“É uma amostra de como vai se desenhar a eleição do ano que vem nos bairros. Essa disputa existe há muito tempo e eu acho natural que vereadores queiram participar”, diz um parlamentar que prefere não se identificar, mas que admite ter conseguido eleger um aliado no domingo.

Outro vereador também admite ter apoiado candidato no pleito, mas desafia: “Você não vai encontrar uma foto minha com ele em rede social e nem em nada. Tudo dentro da lei”, sugere o parlamentar.
Além dos já citados, parlamentares que tiveram aliados eleitos são Elpídio Nogueira (licenciado), Márcio Cruz, Mairton Felix (elegeu o filho David Felix), Didi Mangueira, José Freire, Marcelo Lemos, Carlos Mesquita, Dr. Porto, Bá, Dummar Ribeiro, Iraguassu Filho e Casimiro Neto.
Apontado como um dos fortes pré-candidatos a vereador na Capital no mundo da política, Lúcio Bruno, coordenador especial de articulação política do prefeito Roberto Cláudio, teria ligações com, pelo menos, cinco candidatos eleitos no Conselho.
À reportagem, Bruno admitiu que alguns conselheiros eleitos são, sim, ligados à gestão municipal, mas que não diretamente a ele. O secretário afirmou ainda que não participou de atos públicos em apoio a qualquer candidatura no dia da eleição. 
André Barbosa, servidor da Casa Civil do Governo Camilo Santana também teria atuado na liderança de ao menos dois candidatos eleitos nesta eleição para conselheiro. 
Na lista, há também deputados estaduais, suplentes, ex-deputados e ex-vereadores que ainda têm atuação política na Capital. 

Esquerda
Se por um lado, há um notório crescimento na influência religiosa na eleição, ligada à direita, por outro, observa-se reservadamente, uma redução da presença de partidos de esquerda na Capital.
Com 15 candidatos no total, o Partido dos Trabalhadores acabou elegendo apenas dois liderados na Capital. Um deles, no entanto, não tem mais atividades internas na legenda. Caso semelhante ocorreu com o PCdoB. Com vários candidatos, o partido acabou não tendo representante eleito para o Conselho Tutelar, no domingo passado.
“Tivemos bons nomes que são militantes que foram candidatos. Mas pulverizou demais”, disse o vereador do partido, Evaldo Lima. O Psol teve uma filiada eleita neste ano.
Chamou atenção também dos observadores candidatos não eleitos. Vários vereadores não conseguiram emplacar aliados. Um deles foi o atual presidente da Câmara Municipal, vereador Antônio Henrique. Dois candidatos próximos a ele ficaram na suplência das vagas.

Influências
As atuações políticas não pararam por aí. Há, inclusive, presidente de partido na lista de eleitos. A nova conselheira tutelar Eneylandia Rabelo é a atual presidente estadual do Partido da Mulher Brasileira (PMB). Além dela, o partido reelegeu outra filiada, a ex-presidente da sigla, Magda Costa, que, em 2016, ficou na suplência de vereador na Capital cearense.
Chamou atenção 
A influência política foi uma preocupação durante a campanha para o Conselho Tutelar. O Ministério Público do Estado (MPCE) divulgou diversas recomendações proibindo políticos de realizar propaganda de candidatos em diferentes municípios do Estado para tentar garantir igualdade de condições no pleito. 
A lei n° 8.069/90, que regula o processo de escolha dos conselheiros, proíbe que haja associações de candidatos a órgãos do Governo, empresa pública, políticos municipais, estaduais ou federais, dentre outros. Conforme o Ministério Público Estadual, se comprovadas denúncias de infrações à regra, podem ser aplicadas sanções cíveis e administrativas aos agentes públicos envolvidos.

Fonte: DN
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.