sábado, 20 de julho de 2019

Médico cearense suspeito de abusar de mulheres em consulta e filmar os crimes é preso


O médico e prefeito de Uruburetama, José Hilson de Paiva foi preso preventivamente por suspeita de abusar de mulheres e filmá-las com câmeras escondidas, sem o consentimento das pacientes. Ele se apresentou à polícia acompanhado do advogado, na Delegacia Geral da Polícia Civil, em Fortaleza.

A prisão foi determinada nesta sexta-feira (19) pelo juiz José Cléber Moura do Nascimento, que considerou a medida necessária para preservar as provas e evitar a influência do prefeito nas investigações.
De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, José Hilton afirmou em depoimento aos policiais que um vício em fazer a filmagens e chegou a procurar tratamento.
Para o advogado, o argumento é “absolutamente incabível” pelo fato de o prefeito estar afastado do cargo do prefeito e impedido de exercer atividade médica.

Denúncias desde a década de 1980

O prefeito de Uruburetama é denunciado por abusos sexuais de pacientes desde a década de 1980. No caso mais recente, em 2018, quatro mulheres disseram terem sido estupradas pelo médico enquanto eram atendidas.
Outras pacientes ouvidos pelo Fantástico afirmaram não ter coragem de informar as autoridades sobre o caso porque dependiam do prefeito para garantir emprego ou serviço público.
A Justiça determinou também busca e apreensão de objetos em dois endereços de José Hilson nas cidades de Fortaleza e Uruburetama. A medida é para apreender computadores, celulares, tablets, HDs externos, CDs e DVDs gravados, receituários médicos, prescrições, agendas de consultas, além de outros objetos relacionados ao investigado.
G1 teve acesso a 63 arquivos de vídeos que mostram José Hilton de Paiva atendendo a pacientes em consultórios nas cidades de Uruburetama e Cruz. Profissionais da Associação Médica Brasileira assistiram ao conteúdo e avaliam que se trata “claramente” de estupro das pacientes.
Fonte: G1
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.