sexta-feira, 26 de abril de 2019

Chuvas de janeiro a abril são as maiores desde 2011


Apesar deste abril ainda não ter encerrado, as chuvas no Ceará, de janeiro até ontem, já chegaram à marca de 690,6 milímetros (mm), que representa 13,4% acima do esperado para o período (608,8 mm), conforme dados parciais da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Esse é o melhor resultado desde 2011, quando o acumulado nos quatro primeiros meses do ano fechou em 735,8 mm. O pior resultado, a partir daquele ano, é de 2013, quando a Funceme observou volume de 309,7 mm, um desvio negativo de 49,1% em relação à média histórica.
Considerando os 174,1 mm acumulados nos 25 dias de abril deste ano, o acumulado está 7,4% abaixo da média histórica (188 mm) para o mês. A marca, que ainda pode aumentar nestes cinco dias finais, é segunda melhor anotação desde 2011 (196,9 mm), atrás do ano passado, quando abril acumulou 26,5 mm - 15,2% acima do esperado.
"Uma característica das chuvas no Ceará é a alta variabilidade. Ela, de um ano para outro, muda bastante e também de um mês para outro. Um mês isoladamente não significa muito para caracterizar um período chuvoso. O que importa é o ano como um todo. Este abril, provavelmente, vai ter menos chuva que abril do ano passado. Mas, em compensação, março e janeiro do ano passado choveram muito menos do que o deste ano", avalia o meteorologista da Funceme, David Ferran.
Entre as 7h de quarta e o mesmo horário de ontem, houve registro de precipitações em 82 municípios, conforme balanço diário da Funceme. A maior marca foi anotada em Acopiara (83 mm), seguida por Maranguape (75 mm) e Eusébio (72 mm). Na Capital, os postos Castelão, Messejana e Água Fria registraram, respectivamente, 49,2 mm, 49 mm e 48 mm.
No comparativo à distribuição de chuvas nas oito macrorregiões do Estado, duas ainda não atingiram o esperado: Cariri (638,5) e Sertão Central e Inhamuns (496,5 mm), desvio padrão negativo, em ordem, de 8,8% e 3,6%. Os melhores índices são observados no Litoral Norte (1.122,5 mm) e no Litoral de Fortaleza (1.075,1 mm), 46,2% e 44,5% acima da média, respectivamente.
Ferran explica que o semiárido do Ceará é caracterizado por "uma grande irregularidade das chuvas". "De um ano para o outro, não chove igual. Essa variabilidade natural sempre existiu. Esse ano teve mais chuva no Norte e menos no Sul. Os modelos meteorológicos indicavam isso em janeiro", indica o meteorologista.
Entre as causas possíveis, Davi cita fatores relacionados às temperaturas dos oceanos, como o El Niño no Oceano Pacífico e as águas do Atlântico Sul de 1º a 2º centígrados acima do normal. Outro fator possível é a formação de vórtices ciclônicos de alto nível na Bahia, que consiste na circulação de ventos em cerca de 12 quilômetros de altitude, onde no seu centro tende a ter uma inibição da chuva e nas bordas um favorecimento.
"Esses sistemas costumam atuar durante uma semana mais ou menos. E nos meses que choveu muito, ele atua bastante no sul do Ceará. Isso possivelmente é uma causa das chuvas abaixo ou em torno da média naquela região. Normalmente, o El Niño tende a diminuir as chuvas no Ceará em março, abril e maio. Entretanto, essas águas mais quentes no Atlântico Sul tende a favorecer. São duas forçantes", acrescenta.
Fonte: O Povo
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.