quarta-feira, 12 de setembro de 2018

PT inclui informação falsa em perfil de Haddad


O site da coligação presidencial do PT contém uma página biográfica sobre o substituto de Lula. “Você Conhece Fernando Haddad?”, eis o título. Na sequência, há “um resumo do que você precisa saber”. Nele, injetou-se pelo menos uma informação inverídica. Num esforço para aproximar o personagem bem-nascido dos eleitores mais modestos, anotou-se que Haddad estudou “sempre em escola pública” (veja na ilustração abaixo). Fake News!


Haddad, 63, nunca foi rico. Mas seu pai, Khalil Haddad, de origem libanesa, ganhou a vida em São Paulo como um próspero atacadista de tecidos. Faturou o suficiente para prover os confortos da família que constituiu a partir do casamento com Norma, uma filha de libaneses nascida no Brasil. Matriculou os filhos —Haddad é o segundo de uma prole de três— em boas escolas privadas. Antes de prestar o vestibular, o agora presidenciável do PT passou pelos bancos do lendário Colégio Bandeirantes.
Em junho de 2012, quando disputava a prefeitura de São Paulo, Haddad interrompeu a campanha para visitar o antigo colégio. Festejado como ex-aluno ilustre, deu uma palestra para os estudantes. Em setembro de 2014, já acomodado na poltrona de prefeito, visitou o Tribunal de Contas do Município, então presidido por um ex-professor. Na saída, declarou:
”Sempre que venho ao Tribunal me vejo na condição de estudante diante do presidente Edson Simões, que foi meu professor no ensino médio do Colégio Bandeirantes. É  um encontro agradável de um ex-aluno com um dos seus professores preferidos.”
O PT não toma jeito. Demora a aprender um ensinamento básico da política: jamais conte uma mentida que não possa provar. Produzida no final de agosto, quando Haddad ainda era o fake vice do candidato-presidiário, a biografia do novo cabeça de chapa do PT segue o padrão Tim Maia: “Não fumo, não bebo e não cheiro. Só minto um pouco.”
Fonte: Blog do Josias de Souza
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.