segunda-feira, 30 de abril de 2018

Com direito a um cardápio variado, encontro político não passou de um factoide na fazenda “Cobras”


Caros leitores, o post publicado nesta segunda-feira (30), não é uma fábula, mas, assemelha-se a tal. Tudo porque no sábado (28) aconteceu uma reunião política na fazenda “Cobras”, residência do ex-prefeito de Ipueiras que nos remete à história do “boato da raposa”. Nesta narrativa, “o galo cantava num galho de árvore, quando chegou correndo uma raposa e disse: Nenhum bicho é mais inimigo do outro. O galo do alto avistou um cachorro que vinha na direção deles. Aí o galo disse: Comadre raposa, eu desço já. Agora, enquanto eu desço, a senhora comece abraçando o cachorro, que já está chegando”. Moral da história, “Galo esperto não acredita em novidades”. Cuidado com essas inovações de espertalhões, promesseiros e enganadores do povo.

Com um discurso cheio de intersecção de interesses, os “Vasconcelos” expuseram de forma invasiva a sua politica assistencialista, calcada sempre em ações ultrapassadas.

Já o deputado estadual João Jaime (DEM), derrotado nas eleições de 2016 em Jijoca de Jericoacoara, distante 291 km de Fortaleza, após quatro anos, retorna à Ipueiras para capitanear votos e tentar se reeleger ao cargo. Conhecido como “Político Copa do Mundo”, o deputado retorna ao município com um discurso retórico e de baixo valor preditivo.

O evento contou com a apresentação do desconhecido pré-candidato ao cargo de deputado federal, Pedro Augusto Geromel (PTB), este, responde a uma Ação Civil Pública por improbidade administrativa com o seu pai, o então prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra (PTB), que também participou da reunião.

De forma análoga, o ex-prefeito Raimundo Mariano, demonstrou para os presentes, como se pratica a “politica da ingratidão”. Cria do atual prefeito Nenem do Cazuza (PDT), “o ex-irmão, ex-correligionário e ex-amigo”, discorreu em sua fala, alegando que foi “bloqueado”, justificando a sua incompetência administrativa durante o período que foi gestor municipal. Não há empolgação, não há consistência, não há méritos em seu discurso, a sua efêmera trajetória politica fala por si só. Para os mais céticos, a cria “não disse nada com coisa alguma”.

Que a fábula “O Boato da Raposa” nos sirva de exemplo. Não nos deixando embarcar em uma furada, sendo manipulado por meandros sem compromisso, sem credibilidade, sem caráter.

Pense nisso ! 

Carlos Moreira é radialista
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.