terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Crateús é o 3º município com maior volume de chuvas em fevereiro

Entre a manhã de domingo e segunda-feira (18 e 19), foram registradas chuvas em 129 cidades cearenses. Os municípios que acumularam maior índice de precipitação foram Hidrolândia, Caririaçu e Crateús, com 70, 67 e 65 milímetros, respectivamente. Em Fortaleza, o maior registro de precipitação foi no posto pluviométrico do Pici, com 13,4 milímetros. 
Até ontem (19), as chuvas no Ceará somavam 153 milímetros, segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). A média histórica, calculada entre 1981 e 2010, aponta 118.6 mm. Portanto, o volume esperado para o mês todo já superado é de 29%, número que traz esperança para o cearense, já que a expectativa é de precipitações ainda mais fortes a partir desta segunda quinzena no mês, segundo o órgão.
Desde o início da atual seca no Estado, em 2012, o mês de fevereiro apresentou índices acima da média apenas em 2012 (16,4%) e 2017 (34,8%). De acordo com o monitoramento da Funceme, as chuvas nos demais anos estiveram abaixo do esperado 2013 (-48,1%); 2014 (-22.5%); 2015 (-18.9%) e 2016 que registrou a menor pluviometria do período (-55.2%).
O volume de chuvas em fevereiro confirma o prognóstico da Funceme que, pela primeira vez em uma década, previu chuvas acima da média histórica. A expectativa é de precipitações mais intensas em março.
Fenômeno
Para esta terça-feira (20), a previsão é de nebulosidade e chuva em todas as regiões do Ceará. A zona de Convergência Intertropical (ZCTI) é a principal causadora de precipitações no Estado. 
A quadra chuvosa costuma ser mais intensa em março, quando a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) está mais ao Sul da Linha do Equador.
Na verdade, existem duas altas pressões atmosféricas, uma do Oceano Atlântico Norte e outra do Sul. Elas empurram os ventos alísios (vento constante e úmido que tem ocorrência nas zonas subtropicais em baixas altitudes) em direção ao Equador. Esse encontro é o que forma a ZCIT.
No mês de março, a alta pressão do Oceano Atlântico Norte é mais forte e acaba empurrando com mais força os ventos alísios que vêm do Hemisfério Norte em direção ao Equador.
Quando isso ocorre, os ventos acabam se encontrando mais abaixo da Linha. Eles se encontram e sobem na atmosfera, levando a umidade para cima e formando as nuvens de chuva.
Se a temperatura do mar, que é a fonte de umidade da atmosfera, está mais quente, então há mais evaporação da água. O encontro de ventos nessa área facilita ainda mais que a água evaporada suba para atmosfera, se resfrie e forme as nuvens.
Fonte: O Povo
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.