terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Aporte de água das chuvas chega a 98 reservatórios no Ceará


Nos últimos sete dias, 98 reservatórios dos 155 monitorados pela gestão pública cearense receberam aporte total de 77,1 milhões de metros cúbicos (m³) de água. O acumulado foi possível devido às chuvas regulares e intensas que recentemente caíram sobre quase todas as regiões do Estado, principalmente no Litoral Norte. O monitoramento diário deu conta ainda de que fevereiro nem terminou e já registrou precipitações 29% acima da média para o mês.

De acordo com o presidente da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), João Lúcio Farias, da forma como têm acontecido, as chuvas têm servido para encharcar o solo e recarregar pequenos e médios reservatórios.

Só depois dessa recuperação é que se torna possível para a água pluvial escoar de rios influentes como o Jaguaribe e o Salgado e desembocar em açudes maiores e mais estratégicos como o Castanhão, o Orós e o Banabuiú. O Orós, João Lúcio adiantou, já chegou a apresentar um pequeno aporte, considerando que seu espelho d’água subiu de cinco a seis centímetros de dezembro do ano passado, início da pré-estação, até hoje. “Isso quer dizer que, na bacia do Alto Jaguaribe, já começou o escoamento dos rios”, interpretou. O presidente da Cogerh esclareceu ainda que, mesmo que o Rio Salgado, em Lavras da Mangabeira, tenha registrado cheia na sexta-feira, 16, não houve reflexo significativo no Castanhão. “Tanto que o Castanhão continua baixando. Agora, está com 2,1% (da capacidade)”, alertou João Lúcio. Por isso, destacou, “é importante continuar chovendo bem na região do Salgado, que é um dos principais rios de influência pro Castanhão”.

Nos próximos dias, é possível que continue chovendo em todo o Ceará, segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). No entanto, com predomínio no Litoral Norte e na região da Serra da Ibiapaba — esta, uma das que estão em melhor situação no Estado, com 18,9% da capacidade total de armazenamento.

O que, este ano, tem deixado otimistas os gestores da água é que, diferentemente de 2017, quando o início da estação teve o suporte de um fenômeno relativamente imprevisível como o Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN), agora a quadra tem contado somente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCI), principal sistema indutor de chuvas regulares no Estado. “Março é o mês mais típico de atuação da ZCI, com chuvas ainda mais regulares”, projeta o meteorologista Raul Fritz, da Funceme. Na próxima semana, ele adiantou, deve ser divulgado o segundo prognóstico para a quadra, agora, englobando os meses de março, abril e maio.

AÇUDES

O estoque de água no Ceará é de 7%, segundo o Portal Hidrológico. O Orós está com 5,8% da capacidade e o Banabuiú, com 0,45%. Ontem, o açude João Luís saiu do volume morto

PREVISÃO

No início do ano, a Funceme previu que a quadra chuvosa de 2018 teria possibilidade de ser 40% acima da média, 35% em torno e 25% abaixo.

Fonte: O Povo Online
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.