quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

POMBOS: De inofensivos eles não têm nada!

Animais com imensa prevalência em ambientes urbanos, de fácil multiplicação, muito dóceis, praticamente inofensivos, presentes em praças, prédios e outros locais – preferencialmente – onde tenham condições de se alimentar e nidificar, associados ainda à figura da paz (sendo comuns em imagens de ícones católicos) e heróis de guerras, inclusive as duas mundiais quando foram usados para levar ou trazer mensagens, você já adivinhou de que tipo de ave estou comentando o pombo doméstico, nome científico Columba livia.
Há alguns meses assinei matéria divulgada em vários sites e no Jornal Alto Madeira, sobre a infestação de pombos em locais de grande concentração pública em Porto Velho, como o início do Espaço Alternativo – em frente à vila dos Sargentos da Aeronáutica, no entorno do lago do Parque da Cidade e nas feiras.
O contato com as fezes do pombo pode afetar muito a saúde da pessoa, gerando a criptococose, também chamada meningite criptocócica, sendo a principal doença transmitida pela ave. Além de outras, só ela é responsável por incidência superior a 30% de mortes entre os infectados.
Esse contato, que pode ser gerado inclusive pela poeira das fezes secas dos animais misturada à poeira urbana, desde uma alergia cutânea, chegando a problemas graves de respiração e afetar o sistema nervoso central, mas, pelo visto, a Medicina ainda não tem condições de dar um diagnóstico imediato do problema, o que facilita o alto índice de mortalidade dos infectados.
O problema é maior por alguns motivos, talvez o maior deles porque associada sempre à figura da candura e da paz, a ave atrai atenção, sendo beneficiada por alimentos abandonados ou, ainda pelos que as pessoas, como no Parque da Cidade e no Espaço Alternativo, levam de casa para dar aos pombos.
Nada contra os pombos, simples aves que circulam e alegram os ambientes, mas a quantidade deles, que vem aumentando em Porto Velho, já deveria ter motivado os responsáveis pela saúde pública a uma ação, que pode até gerar protestos de amantes das aves, em benefício da própria saúde pública.
Aliás, uma maneira simples de evitar a proliferação é não dar comida a eles nem jogar restos de comida em suas áreas de concentração. Só isso, com certeza, já vai ajudar a evitar males maiores, o principal deles a morte de infectados.
Inté outro dia, se Deus quiser!
Lúcio Albuquerque é jornalista 
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.