segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Grande variação nos preços dos combustíveis


A livre concorrência, associada aos custos de cada posto, essa é a justificativa do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Ceará (Sindpostos), para a variação de até R$ 0,74 por litro de gasolina, combustível automotivo mais consumido no País, nos postos do Ceará. Todavia, sobre as políticas de preços aplicadas pelos seus associados, o Sindpostos não se manifesta. Em nota, respondeu não ter a visão de formar nem informar preços, pois o mercado dos combustíveis é livre e se auto-regula de acordo com a concorrência entre seus agentes.
Logo após o aumento da alíquota do PIS/Cofins, no dia 22 de julho, o Diário do Nordeste divulgou o aumento do preço dos combustíveis no Interior do Ceará. No dia seguinte, a gasolina já era vendida a até R$ 4,29. Dois dias depois o consumidor já estava pagando até R$ 4,70 pelo litro, em Morada Nova, no Vale do Jaguaribe. Entretanto, na cidade é possível economizar até R$ 0,74 por litro. No Auto Posto São Luiz, custa R$ 3,959. A coleta de preço é Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
Sobre a guerra nas bombas um empresário com mais de 20 anos de experiência no comércio de combustíveis explicou não haver mistério e nem mágica para a diferença de preço entre os concorrentes. A habilidade empresarial conta a partir de saber onde reduzir os custos, como a mão de obra, energia elétrica e manutenção do estabelecimento. Todavia, o preço dos combustíveis repassado pelas distribuidoras e até por quem opta por bandeira branca, é um só, embora a ANP aponte variação de até R$ 0,10. Quem faz esse controle é a Petrobras, destaca.
Quem estiver praticando preços menores está se arriscando ou precisando de fluxo no caixa, para pagar as contas, entretanto, mais cedo ou mais tarde, precisará desembolsar esse ônus, quando for obrigado a pagar os impostos. Essa dívida, o governo não perdoa. Se o proprietário do posto não paga, é obrigado a fechar seu estabelecimento e ainda pode responder na Justiça por sonegação. O consumidor ganha, por um determinado período, mas, dentro de algum tempo, também vai acabar pagando a conta, acrescenta.
Outra estratégia é a compra do combustível noutros Estados. É o caso do Rio Grande do Norte. Um dos pontos de venda mais procurados pelos empresários é o de Guamaré, na microrregião de Macau, a 176Km da capita, Natal. O Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Estado vizinho é de 12,5% enquanto o aplicado no Ceará é 27,5%, uma diferença de 15%. Os caminhões-tanque podem cruzar a fronteira estadual sem problema, todavia, a Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz) vai acabar cruzando os dados e cobrando a diferença.
Sobre a diferença acentuada de preços entre os postos de combustíveis, o coordenador de Fiscalização do Programa de Defesa do Consumidor (Decon) do Ceará, Ian Sarmento, informou não haver interferência do órgão estadual por se tratar de uma livre disputa de comércio. Por outro lado, estão sendo realizadas fiscalizações para detecção da prática de preços abusivos, da elevação sem justa causa. Os proprietários foram notificados. Em um deles, a diferença chegou ao valor de R$ 1. Como ainda está na fase de análise, o nome do estabelecimento não foi divulgado.
O representante do Decon acrescentou o reajuste sobre os preços de estoque dos combustíveis como a prática irregular mais comum detectada após o reajuste dos impostos federais.
Os consumidores de 14 cidades do Interior do Ceará - Beberibe, Canindé, Crateús, Crato, Icó, Iguatu, Ipu, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Limoeiro do Norte, Morada Nova, Quixadá e Sobral - e ainda Caucaia e Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza e da própria capital podem acompanhar a variação dos preços da gasolina no Sistema de Levantamento de Preços da ANP, no endereço www.anp.gov.br/preco. Além do valor mínimo e máximo, é possível saber os nomes e os endereços dos postos em cada cidade.
Desde que o preço dos combustíveis teve alta, na segunda quinzena de julho, os postos de combustíveis na região Norte aplicaram preços parecidos em suas bombas. Em Viçosa do Ceará, na Serra da Ibiapaba, os quatro postos instalados operam com preços semelhantes, cobrando R$ 4,29, pelo litro de gasolina. Antes, havia uma pequena diferença, num dos postos, que passou a cobrar R$ 0,20 a menos, pelo mesmo combustível, que custava R$ 3,99.
Mais em conta
Em Sobral, também no Norte do Estado, buscar por um abastecimento com o preço mais abaixo da média de R$ 4,19, aplicada na cidade, para algumas pessoas, se transformou numa atividade corriqueira, ao longo da semana. Que o diga o vendedor Francisco Estevão Sampaio Júnior, que tem circulado pelos estabelecimentos, nos últimos dias, em busca de preços que não pesem tanto no bolso. A pesquisa valeu à pena, segundo o vendedor. Eu descobri, num bairro próximo do Centro, um posto que cobrava a mesma média dos outros (R$ 4,19), mas baixou para R$ 4,12. Então passei a abastecer aqui", comemora.
Como o repasse para as bombas é livre, cabendo a cada estabelecimento calcular sua média de reajuste, em postos do Centro, a gasolina saltou de R$ 3,83, para R$ 4,19, preço aplicado em mais dois estabelecimentos, no entorno do Centro. A média diferença ficou entre R$ 0,42 e R$ 0,40, o que fez o empresário Português Antônio Gomes Samuel evitar utilizar o carro com mais frequência. Ao longo da semana, o veículo de passeio foi substituído pela motocicleta, mais econômica. "Nesses 12 anos no Brasil, eu acho os impostos um absurdo, ainda mais abusivo em relação à gasolina, em comparação com um País que não produz, como Portugal", diz.
Segundo dados do Sistema de Levantamento de Preços da Agência Nacional de Petróleo e Gás, a média aplicada entre os 13 postos, no que se refere a gasolina cobrada em Sobral ficou entre R$ 13,70 e R$ 13,87. A pesquisa, que se refere a dados coletados até o dia 29 de julho.
Fonte: Diário do Nordeste
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.