sexta-feira, 5 de maio de 2017

A bodega do seu Nicássio


Seu Nicássio tinha um comércio na rua Cel. José Pompeu nº 452  no centro da cidade que era bar, mercearia, padaria, restaurante, de tudo um pouco. Eu já o conheci de cabelos brancos, óculos e gentileza. Abria cedinho, fechava à noite. O comércio era grande: balcão pra rua, portas que dava a um salão, onde havia mesas. Nelas era café, almoço, tira-gosto. Era ali no meio de surrões cheios de farinha, milho, feijão e goma; de litros e mais litros de cachaça; com rolos de fumo de palha em cima do balcão e prateleiras escassas de mercadorias que as pessoas se encontravam aos sábados, dia de feira. Do outro lado do balcão, ficava o notável seu Nicássio.

Comerciante Nicássio Rodrigues

Os fregueses gostavam de frequentar o recinto, ficar por ali sentados em tamboretes de madeira ou encostados nos sacos. Muitos iam à bodega não somente para comprar um quilo de açúcar ou de arroz, ou adquirir uma lata de óleo, mas também para jogar conversa fora, encontrar amigos. Passavam horas e horas tomando cachaça, genebra, conhaque de alcatrão de São João da Barra ou guaraná quente. De cada dose, jogavam um pouquinho no chão (acho que era pra o santo) e tiravam o gosto com uma mão cheia de farinha branca ou d’água.

Na bodega, muitos deixavam guardados no local os sacos com as primeiras compras do dia, as carnes e os peixes amarrados com embiras e que Nicássio colocava pendurados em pregos na parede. Voltavam para a feira para fazer outras compras.

Foi assim durante anos, seu Nicássio ficou cansado. Após a aposentadoria, decidiu fechar a bodega. Mas enquanto pôde, nunca deixou de ir para a “rua” (centro comercial) um dia sequer.

Seu Nicássio nos deixou de forma silenciosa em (22) de abril de 2014. O comerciante foi para o andar de cima. Pra nós, muitas lembranças, saudade de um tempo que não volta mais. 

Carlos Moreira é radialista
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

Um comentário:

  1. Agora mexeu com
    os meus sentimentos...
    Vizinho querido, homem digno, correto e trabalhador incansável. Fiel aos seus amigos e um sorriso sempre disponível. Saudade eterna.

    ResponderExcluir

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.