quarta-feira, 31 de julho de 2013

Frase do dia
"O PMDB se torna mais um problema do que uma solução."

Tarso Genro (PT), governador do RS, sobre a aliança entre os partidos nas eleições do ano que vem

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Contas Gotas - Por Lúcio Albuquerque / Rondônia
ENFIM UM A BOA IDEIA
Rendo-me! Enfim uma boa ideia. E quero deixar bem claro que não se trata daquela que o jornalista norte-americano noticiou há algum tempo como sendo a 51, a preferida do grande líder. Nada de álcool que o assunto aqui, entendo ser sério.
A referência é sobre a proposta de que cada médico ao concluir seu curso faça dois anos de estágio no SUS antes de ter direito ao registro definitivo. Uma medida, se qualquer dúvida, que deve ter apoio da população brasileira – e o que tenho ouvido por aí é justamente isso, citações de apoio afora de segmentos corporativistas que existem não só na área médica, mas em todas as profissões.
Bom, mas eu faria uma emenda: o projeto fosse destinado apenas aos formados em instituições públicas e aqueles que conseguissem concluir o curso em instituições privadas, mas com a graduação financiada, no todo ou em parte, pelo dinheiro do contribuinte.
Ora, convenhamos: o cidadão gradua-se em curso superior em escola pública, e a seguir, ser dar qualquer retorno àqueles de onde veio o dinheiro que lhes garantiu a formação, faz de conta que não deve nada a ninguém, sob a alegação de que seja dever do Estado oferecera escolaridade de forma gratuita.
No entanto, é necessário observar a origem daqueles que conseguem graduação em escolas públicas: a imensa maioria é oriunda de colégios particulares, e não só em Medicina, mas também em áreas como Direito, nos chamados cursos de ponta. É injusto que esse grupo majoritário tenha todas benesses para sua formação e na hora de exercitar nada paguem aos que lhes garantiram a escola.
Não é justo falar-se em justiça social quando pessoas usufruem do dinheiro oriundo do contribuinte para galgar um curso superior e depois, seguindo a tradição brasileira, tenham a oportunidade que o próprio Estado nega aos outros de ascensão sócio-econômica.
É necessário lembrar que essa prática já existia há muitos anos, pelo menos dentre as formandas em Magistério e que, como ouvi de professoras minhas e ouvi da veneranda mestra Marise Castiel, ela própria, segundo contava, ao concluir seu curso, teve de fazer um tempo dando aulas em uma cidade do interior paraense.
No entanto, eu estenderia o projeto também a todos os graduados com dinheiro público e à obrigação de que mestres, doutores e pós-doutores, cuja especialização fosse feita com recursos oriundos do erário, que também passassem por esse período, como uma forma de pagar a quem lhes financiasse os estudos.
E por qual motivo abri o comentário falando em boa ideia usando o termo enfim: é que nesses últimos 10 anos é tão difícil algum membro do governo federal pensar algo além do que manda o grande líder, que, claro, essa de agora deve ficar bem registrada nos anais.
ENADE
Tai, bem que o Governo Federal deveria na carona dessa boa ideia e também implantar um Enade para mestres e doutores. Pelo que tenho observado o produto final desses cursos não justificam o título.
Inté outro dia, se Deus quiser!
José Lúcio Cavalcante de Albuquerque. É presidente da Academia de Letras de Rondônia. Ex-editor dos jornais Tribuna, Alto Madeira, e com passagens em outras publicações como o Estadão do Norte, Lúcio Albuquerque, egresso da imprensa amazonense, tem projeção nacional, desde a década de 80, quando foi correspondente do Estadão de São Paulo.

domingo, 28 de julho de 2013

Frase do dia
"O futuro exige de nós uma visão humanista da economia e uma política que realize cada vez mais e melhor a participação das pessoas, evitando elitismos e erradicando a pobreza. Que ninguém fique privado do necessário, e que a todos sejam asseguradas dignidade, fraternidade e solidariedade: esta é a via a seguir."

Papa Francisco

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Inauguração da CONAB em Santa Quitéria - Por Carlos Moreira / Ipueiras
O prefeito Fabiano Lobo (PMDB) inaugurou, hoje (25) de julho, o polo de abastecimento da (Conab) do município.

Além de atender os agricultores locais, a Conab de Santa Quitéria será um polo de atendimento também para outras cidades da região.

O objetivo primordial é atender os produtores rurais de Santa Quitéria e mais 7 municípios, possibilitando o armazenamento eficaz do milho.

Para Fabiano Lobo, a sensação é do dever cumprido, segundo ele é uma conquista maravilhosa para os agricultores terem um conforto maior, sendo o milho “sustentáculo de rebanho”.

Além do prefeito Fabiano Lobo e do gerente operacional da Conab, Franzé, participaram da solenidade secretários municipais, assessor do dep. José Nobre Guimarães, Antônio Alves, vereadores e agricultores.

Carlos Moreira

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Frase do dia
"O governo Dilma, com esses aliados, como diria Luiz Eduardo Magalhães, não tem risco de dar certo."

Deputado Miro Teixeira (PDT-RJ)

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Charge da semana
Sinfrônio - Diário do Nordeste (CE)

quarta-feira, 10 de julho de 2013

E agora?  - Por Lúcio Albuquerque / Rondônia

A comparação a seguir pode ser grosseira, mas pode ser considerada em razão do caminho a seguir pelos que estão protestando – praticamente todo o país. Tem uma estória contada assim: O cachorro sai latindo e correndo atrás quando passa um carro.  Quando o carro para ele não sabe o que fazer e aí vai embora.

Talvez que esse seja também o raciocínio de autoridades diversas e políticos que, sem entenderem bem o que está acontecendo, partem para discursos mais que manjados do tipo É uma demonstração que vivemos na democracia ou coisas como tal, na expectativa de que, dentro de dois ou três dias, um pouco mais ou um pouco menos, tudo volte à normalidade e, como aquele livro famoso, aconteça Nada de novo no front.

A resposta a isso deve ser dada por aqueles que idealizaram o movimento e os que nele se engajaram: E agora? Para ode vamos? Ficamos só na redução do preço das passagens? Ou inicia-se por aqui um novo ano que não acabou – aquele de 1968? 

Nesses dias muitas ruas brasileiras foram transformadas em campos de protestos e/ou em campos de luta urbana, em grande maioria das vezes na última hipótese geradas pela baderna provocado por quem não reivindica mas apenas cria a baderna para depois aparecer como vítima – porque os órgãos de segurança pública respondem às vezes até para que seus membros se defendam, ainda que haja excesso de alguns.

Mas o grande fato a ser observado foi o rifamento de bandeiras políticas durante os protestos, apesar da porralouqice do presidente nacional do PT que, sem mais o que dizer, anunciou que a petrelhada iria para as ruas apoiar as manifestações – na realidade uma tentativa de capitalizar, através da captação de imagens de bandeiras, eleitoralmente o movimento a favor do alvo da mobilização, o próprio Governo do PT.

Outro fato, gerado pelo rifamento de bandeiras e discursos políticos nesse movimento passe livre em relação ao Fora Collor! e ao Diretas Já!, foi que não se viu pelo meio políticos carreiristas, pretensos candidatos a presidente da República, deputados, senadores et caterva.

Saber se os donos do poder vão deixar a banda passar  e continuar como está até agora não será novidade. Em 1992 Collor renunciou em meio a denúncias de corrupção e outras mais, mas está aí, o ex-presidente agora posando ao lado dos donos do poder, conversando descontraidamente com aqueles que tanto o acusaram, como se nada de mais houvera entre os dois, o que confirma o ditado popular de que duas palavras, ética e vergonha, passam bem longe dos que fazem carreirismo político.

Collor renunciou e quem mais discursava falando em ética e respeito à coisa pública vem demonstrando que, ao assomar ao poder comporta-se pior até, tudo em nome da governabilidade, e danem-se o erário e a ética.

Agora, voltando à pergunta que acima este comentário, retorno: E agora? Você aposta quanto que vai mudar alguma coisa? Do alto dos meus quase 70 anos, duvido muito.

Inté outro dia, se Deus quiser! 

José Lúcio Cavalcante de Albuquerque é presidente da Academia de Letras de Rondônia. Ex-editor dos jornais Tribuna, Alto Madeira, e com passagens em outras publicações como o Estadão do Norte, Lúcio Albuquerque, egresso da imprensa amazonense, tem projeção nacional, desde a década de 80, quando foi correspondente do Estadão de São Paulo.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Frase do dia
"A realização de plebiscito para as eleições de 2014 está em coma profundo e irreversível na UTI. Só falta a gente desligar os aparelhos."

 Deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

segunda-feira, 8 de julho de 2013

PMDB realiza encontro regional em Varjota - Por Thiago Rodrigues / Santa Quitéria

A executiva do PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) Ceará realizou sábado (06/07), o 4º Encontro Regional do PMDB, na cidade de Varjota, na zona norte do estado.

O evento, realizado no clube Centreventos, contou com a presença do presidente estadual do partido Eunício Oliveira, presidente municipal do partido Glerton Paulino, prefeita municipal Rosa Cândida, deputados estaduais e federais, políticos de cidades vizinhas, como de Santa Quitéria, Hidrolândia, e público em geral.

O Encontro Regional do PMDB tem como objetivo, reunir as lideranças políticas de municípios de pequeno porte e debater as principais demandas de cada cidade, como a seca, consumo de drogas e segurança pública.

Thiago Rodrigues 

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Frase do dia
"Não há mais condições — e vocês sabem disso — de fazer qualquer consulta antes de outubro. E, não havendo condições temporais para fazer essa consulta, qualquer reforma que venha só se aplicará para as próximas eleições, e não para essa."

Michel Temer, vice-presidente da República, ontem pela manhã. No fim da tarde foi obrigado por Dilma a soltar uma nota dizendo que o governo continua empenhado em fazer um plebiscito cujos efeitos incidam sobre as eleições de 2014

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Liquigás abre seleção para vários níveis

A Liquigás, empresa pertencente à Petrobras, lançou edital para processo seletivo. 

A companhia está ofertando 136 vagas nos níveis fundamental, médio e superior. A remuneração poderá chegar a R$ 4.086,41.

Para as funções de nível fundamental os vencimentos básicos serão de R$ 1.158,79 e R$ 1.247,91. 


Já para as funções de nível médio os valores irão variar de R$ 951,10, a R$ 2.257,11, de acordo com o cargo.

Para os cargos de nível superior, as remunerações serão de R$ 4.086,41 para Engenheiros, R$ 3.353,63 para Profissional Júnior e R$ 2.579,71 para Profissional de Vendas.

Os interessados poderão se inscrever de 4 a 22 de julho através do
site da Fundação Cesgranrio


As taxas de participação, que irão variar entre R$ 30, R$ 40 e R$ 60 serão definidas de acordo com a escolaridade exigida á função escolhida pelo candidato.

As inscrições deverão ser confirmadas no dia 21 de agosto.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Amancebada - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro
Eu casei na Igreja verde,
A Deus não peço perdão,
O cartório e a igreja
Dispensei na ocasião
Eu fiz o meu edital
E não precisei de aval
Ao recusar certidão.
*
Nunca quis ser bem certinha
Nem seguir a procissão
Eu já nasci pecadora
Diz minha religião
Sou batizada e crismada
Nunca fui excomungada,
Mas não gosto de sermão.
*
E quando alguém me pergunta
Se sou solteira ou casada,
Eu respondo bem ligeiro:
Sou mesmo é amancebada!
E vejo quem me arguiu
Fazendo que não ouviu
Saindo desapontada.
*
E não venham me pedir,
Meu álbum de casamento
As bodas disso ou daquilo
Bobagens eu não aguento.
Acho que a felicidade
Se faz com cumplicidade,
E jamais com juramento.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará
 

terça-feira, 2 de julho de 2013

Contas Gotas - Por Lúcio Albuquerque / Rondônia
PERGUNTAR NÃO OFENDE
Depois desse movimento nas ruas você acredita mesmo que algo vá mudar no país?
 
E O FLU, HEIN?
Pois é: na decisão deste domingo só deu Fluminense. Como?, perguntarão os eternos insatisfeitos. É só ter prestado atenção: No meio da zaga o Tiago Silva e na lateral esquerda o Marcelo, ambos ex-jogadores do Flu. E na frente o Fred-gol, fazendo dois e ainda abrindo espaço para que o Neumar anotasse o dele.
 
GENIAL
Andei lendo muitos cartazes e faixas sobre esses problemas nas ruas durante essas semanas anteriores. Gostei daquela em que a Educação pedia à presidente Tratamento FIFA. Mas a que mais chamou minha atenção foi a inserida num cartaz e era composta apenas por cinco palavras: A Pátria muda não muda. Pense um pouco e veja a grandeza dessa frase.
 
DESCRÉDITO
As instituições brasileiras precisam de uma reengenharia que esteja em sintonia com o que chamam de a voz rouca das ruas. Não é preciso ser muito arguto para perceber o que está claro. A pesquisa feita pelo site oglobo.globo.com revelou bem isso: em cinco perguntas, a que teve 65% de votos favoráveis foi: O que você acha da reação do Congresso e do Governo após os protestos?. Pois bem: Esses 65% optaram pela seguinte resposta: (As reações serão) previsíveis pois agem sob pressão e voltarão logo a atuar como antes. Alguém duvida?
 
CONSTITUINTE
Dia 6 de agosto o Estado tem o que comemorar: sua primeira Constituição estará completando 30 anos de promulgada. E a Assembléia Legislativa está com uma programação comemorativa em grande estilo. Pelo visto, ao contrário de outros órgãos, especialmente voltados à Educação e à Cultura – que não lembram datas históricas, a ALE já colocou o 6 de agosto na agenda positiva.
 
“BURGUESIA” E/OU “DIREITA”. OUTRA VEZ?
A coluna da semana passada, com esse título, valeu por telefone e email diversas manifestações, inclusive de gente xingando. Ora, conforme chegou ao meu conhecimento figuras locais que dizem entender de política e movimentos sociais, teriam retornado com o velho chavão de direita  e esquerda, de burguesia, etc. Houve em todo o país quem afirmasse estar sendo um novo golpe, o besteirol de sempre. Interessante citarem burguesia, porque burguês certamente não anda de ônibus. Citar direita  ou esquerda é raciocínio retrógrado, por falta de meios para uma discussão ou, então, o que me parece muito provável, incapacidade de entender o que está acontecendo.

José Lúcio Cavalcante de Albuquerque. É presidente da Academia de Letras de Rondônia. Ex-editor dos jornais Tribuna, Alto Madeira, e com passagens em outras publicações como o Estadão do Norte, Lúcio Albuquerque, egresso da imprensa amazonense, tem projeção nacional, desde a década de 80, quando foi correspondente do Estadão de São Paulo.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Frase do dia
"Isso é resultado do que foi feito nesses 10 anos."

Lula, ao dizer que as manifestações são consequências das mudanças sociais realizadas pelos governos do PT