quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Quando eu esticar as canelas - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro

*
Amigos quando eu morrer
Não venham chorar por mim.
Me ponham na cova rasa
Joguem por cima capim
Mas se quiser me agradar
Me agradem antes do fim.
*
No dia do meu enterro,
Na hora do funeral
Pode jogar-me numa rede
No meio enfiar um pau
No ombro de dois “caboco”
Façam o trajeto final.
*
Chorar no meu buraco
É apenas adulação
Meu corpo tá lá embaixo
Mas a alma em ascensão
Se lixando pros panacas
Que rodeiam meu caixão.
*
Por isso digo e repito
Não me faça ingratidão.
Enquanto vida eu tiver
Quero consideração
Depois de morta dispenso
O choro e a lamentação.
*
Texto e ilustração de Dalinha Catunda
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.