sábado, 12 de janeiro de 2013

Leilão de tabaco - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro

  Xilogravura de J. Borges


*

A menina resolveu

Estrear o seu tabaco,

Mostrou na internet

Que era dona do buraco,

Junto com um cafetão

Botou o bicho em leilão

Entrou pra turma de Baco.

*

Um Japonês estribado,

Nas contas fez um regaço,

Foi indo de lance em lance

Sem ter maior embaraço

E para a satisfação

De quem tem pinto anão

Arrematou o cabaço.

*

A mulher que antes dava,

Agora passou a vender

O pobre está lascado,

Sem dinheiro pra comer,

E agora com a invenção,

De tabaco em leilão

A jumenta vai sofrer.

*

Quem hoje leiloa a frente,

Amanhã leiloa atrás

Quem abre o próprio negócio

Sabe que o lucro apraz

No mundo da putaria

Não falta mercadoria

E a cobiça é voraz.

*

Dalinha Catunda é poetisa e natural de Ipueiras, Ceará


Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.