terça-feira, 9 de novembro de 2010

Contas Gotas - Por Lucio Albuquerque / Rondônia

DE NOVO
Ano passado a desculpa foi vazamento de informações, com gabaritos retirados da própria gráfica onde o material fora impresso. Trocaram de gráfica, um contrato milionário e, outra vez, o MEC admite que houve erro na composição do material do ENEM. E o presidente do órgão responsável pela aplicação das provas vem com uma desculpa na qual só ele acredita. Depois há quem reclame quando não se leva esse governo a sério quando eles alegam que Educação é coisa séria para este governo.

FEIRA
Começa nesta terça, e vai até dia 15, a 2ª Feira do Livro de Porto Velho, realização coordenada pelas bibliotecárias Shirlaine e Ednéia Botto. Todos os dias, desde a manhã até a noite, no Bingol (na Rogério Weber atrás do Ferroviário). Muitas ofertas no setor livreiro, com destaque para o espaço “Cantinho do Escritor” onde membros da Academia de Letras de Rondônia e outros produtores literários locais estarão apresentando suas obras.

TRATADO
Dia 17 completa 107 anos da vigência do Tratado de Petrópolis. Para quem não tem noção histórica, foi esse acordo Brasil/Bolívia que permitiu a agregação do Acre ao nosso país. Quem pensar que aquele documento só teve interesse direto ao vizinho Estado pode estar fazendo uma leitura errada da História: pelo Tratado de Petrópolis foi que se construiu a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e, assim, houve o surgimento das primeiras cidades, Guajará-Mirim e Porto Velho, e depois Rondônia. Uma data a comemorar, e muito, aqui.

VOLEIBOL
Para quem gosta de bom espetáculo esportivo, a pedida é acordar mais cedo, ou suspender parte do sono da madrugada e assistir ao Brasil no Mundial de Voleibol Feminino. Nessa madrugada de terça, na de quarta e, depois, as semi e as finais.

FLUMINENSE
Corintianos e cruzeirenses sorriram: afinal estavam no topo do Brasileirão. Foi só o Flu mandar ver e acabou a festa, recolocando a ordem na casa.

ESPECULAÇÕES
O que tem de “mãe diná” querendo dar uma de adivinho e divulgando informações sobre o secretariado do governador eleito, é coisa de maluco. Qualquer dia, daquele seu jeito tranqüilo, o médico Confúcio Moura vai parodiar o mineiro Tancredo Neves que, diz a lenda política, que quando o procuravam dizendo que seus nomes estavam cogitados para serem secretários do governo Tancredo, este, para evitar ferir suscetibilidades, sugeria que o auto-pretendente dissesse ter sido convidado, “mas que você não aceitou”.

DATAS DE RONDÔNIA
(5 a 12 de novembro)
Dia 5 – Em 1921 – O governador do Amazonas assina a Lei 1126, retornando a Comarca de Porto Velho à jurisdição da de Humaitá (Antonio Cantanhede, Achegas para a História de Porto Velho)
Dia 5 – Em 1949 – O governador Araújo Lima lança a pedra fundamental do futuro Fórum Ruy Barbosa, em Porto Velho (Antonio Cantanhede, Achegas para a História de Porto Velho)
Dia 6 – Em 1958 – O coronel Paulo Nunes Leal toma posse como governador do Território (Professora Tereza Chamma, Calendário de Guajará-Mirim)
Dia 7 – Em 1991 – A Câmara Federal cassa o mandato do deputado federal Jabes Rabelo ( com base eleitoral na região de Cacoal), da bancada rondoniense na legislatura 1991/1995. É o segundo deputado federal cassado, mas o primeiro, Renato Clímaco de Medeiros, em 1964, foi por Ato Institucional (Francisco Matias – Pioneiros – Ocupação Humana e Trajetória Política de Rondônia)
Dia 10 – Em 1999 – O presidente Fernando Henrique Cardoso assina o Decreto 3.238 que dá à região do Lago do Cuniã, em Porto Velho, a condição de Estação Ecológica (Jornal Alto Madeira)

Inté outro dia, se Deus quiser!

José Lúcio Cavalcante de Albuquerque. É presidente da Academia de Letras de Rondônia. Ex-editor dos jornais Tribuna, Alto Madeira, e com passagens em outras publicações como o Estadão do Norte, Lúcio Albuquerque, egresso da imprensa amazonense, tem projeção nacional, desde a década de 80, quando foi correspondente do Estadão de São Paulo. Com um dos currículos mais completos do jornalismo rondoniense, Lúcio Albuquerque, graças ao seu diligente trabalho de apuração, ganhou prestigio e credibilidade na imprensa regional. Pela relevância do seu trabalho escreve para uma rede de sites e jornais de todo o Estado, honrando o gentedeopinião, com artigos de sua lavra. Jornalista e historiador, Albuquerque é testemunha ocular da explosão rondoniense, seja como repórter, ou fundador da primeira entidade representativa dos jornalistas, ainda no final dos anos 70.
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.