quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Pesquisa mostra mudança de comportamento do homem brasileiro em relação ao sexo - Por Cibele Pereira / S. Paulo

A pesquisa “Sexualidade e Saúde Masculina”, realizada pela Bayer Schering Pharma, em parceria com a Sociedade Brasileira de Urologia – Seccional São Paulo (SBU-SP), e conduzida pelo Ambulatório de Sexualidade (AmbSex), ouviu durante o mês de junho deste ano 3.026 homens com idades entre 16 e 90 anos, em cinco capitais: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ),

Porto Alegre (RS), Goiânia (GO) e Salvador (BA). O resultado comprova que, quando o assunto é sexo, o grau de satisfação do brasileiro é alto: 86,95% dos pesquisados afirmaram estar satisfeitos com sua vida sexual. E eles não querem só quantidade (61,70% dizem ter relações de 2 a 4 vezes por semana), mas também querem qualidade e estão preocupados em dar prazer à mulher.

Esses dois últimos quesitos ficaram em segundo (43,33%) e terceiro (33,93%) lugares, respectivamente, quando os entrevistados classificaram o que é mais importante no sexo. Só perderam para a própria satisfação do homem, item mais importante para 46,60% dos entrevistados.

De acordo com a coordenadora do levantamento, a sexóloga Carla Cecarello, a mudança de comportamento em relação à satisfação da parceira é algo importante. “Mas, é preciso considerar que a satisfação feminina é, para o homem, uma afirmação de sua masculinidade”, comenta a pesquisadora.

Outro traço significativo do comportamento masculino tem se modificado segundo a pesquisa: 31,09% dos pesquisados revelaram falar sobre sexo com a parceira. “Essa é uma característica mais presente entre os homens casados, com mais de 30 anos e, geralmente, a conversa é iniciada pela mulher”, explica a coordenadora da pesquisa. “No entanto, independente de qual dos dois aborda o assunto, esse diálogo é muito importante para o relacionamento se manter saudável”, completa Carla Cecarello.

Eles não assumem que já falharam na cama
Embora as estatísticas oficiais apontem para o fato de que mais da metade dos homens apresenta algum grau de disfunção erétil (DE), especialmente na maturidade, os brasileiros ainda resistem em assumir que já enfrentaram a situação. De acordo com a pesquisa “Sexualidade e Saúde Masculina”, 81,36% dos participantes afirmou nunca ter tido problemas de ereção.

“Embora ainda exista muita dificuldade do homem para admitir a disfunção erétil, é muito importante conscientizá-los de que a DE pode ser um dos primeiros sinais de que algo não vai bem com a saúde”, enfatiza ArchimedesNardozza Junior, presidente da SBU-SP. O urologista lembra que, atualmente, a comunidade médica considera a dificuldade de ereção como um marcador de doenças cardiovasculares.

A pesquisa também mostrou que, entre os participantes que afirmaram já ter tido dificuldade de ereção (13,22%), apenas 26,50% procuraram o médico para solucionar o problema. Entre os motivos para não ir ao consultório, foram citados: achar que é um problema psicológico, considerar a DE normal, falta de tempo e vergonha.

Quando o assunto é duração da ereção, 51,56% dos pesquisados colocaram esse item entre 4º e 6º lugar em um ranking que elencou seis fatores relacionados ao sexo. O tempo que dura a ereção masculina já foi tema de estudos clínicos recentes. O estudo ENDURANCE (2009) acompanhou o desempenho de 201 homens com disfunção erétil associada a doenças como diabetes, síndrome metabólica e hipertensão durante oito semanas. Todos os participantes passaram por dois períodos de testes, um utilizando LEVITRA® (vardenafila, princípio ativo produzido pela Bayer Schering Pharma) e outro tomando placebo (comprimidos sem princípio ativo). Após tomar comprimidos de vardenafila, os participantes relataram uma duração média da ereção de até 12 minutos. Ao ingerir placebo, essa média diminuía para 5 minutos. Antes, uma pesquisa canadense havia demonstrado que uma relação sexual satisfatória para o casal tem duração de 7 a 13 minutos e que para homens saudáveis, o tempo médio de ereção é de 10 minutos.

Outro ponto abordado pelo levantamento foi o conhecimento dos homens a respeito do próprio envelhecimento. Mais da metade dos entrevistados (52,31%) afirmou saber que a andropausa (como é conhecido popularmente o Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino – DAEM) atinge homens com mais de 40 anos. Além disso, 65,60% dos participantes disseram já ter ouvido falar sobre o problema.

Cibele Pereira
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.