segunda-feira, 17 de maio de 2010

A Saga do Sabugo - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro


Meu amigo quem acha,
Que o sabugo é vilão.
Nunca correu pro mato,
Bem cheio de precisão.
E após fazer o serviço
Com muito sacrifício
Lhe faltou papel a mão.
.
Um sabugo perdido,
No meio do milharal,
É a salvação da lavoura
E até que não pega mal.
Quem é que vai recusar,
De com ele se limpar
Se não há escolha afinal?
.

Não fiquem de boca aberta.
Nem pensem que é novidade.
Ele já foi muito apreciado,
Nos campos e na cidade.
Passou na bunda de gente
Que se dizia bem decente,
E de uma alta sociedade.
.
O sabugo meu camarada,
Já foi de grande valia.
Bunda de ricos e pobres,
Era ele quem acudia.
Mas o povo é bem cruel
Agora que existe papel,
O pobre sabugo repudia.
.
Nos tempos idos era tido,
Como a melhor solução.
Ele limpa, coça e penteia,
Propagava a população.
Que hoje o sabugo renega,
Mas já teve ele nas pregas,
Meu Deus! Que ingratidão.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

Um comentário:

  1. Dalinha... sou cordelista e também seu fâ, adorei a saga do sabugo ate pq já fiz uso do danado, fica com Deus e muito sucesso na vida

    ResponderExcluir

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.