segunda-feira, 12 de abril de 2010

FAzer bonito - Por Marcondes Rosa de Sousa / Fortaleza



A propósito da discussão do "desencontro, entre nós, da educação e da cultura", procurei o artigo abaixo "Fazer bonito". Pensei tê-lo perdido. Encontrei-o, na Web, publicado, no Jornal Folha Popular, de Palmas, em Tocantins, na data de hoje!...( 10:27 @ 09/03/2006).

''Perda de tempo'' - cheguei a pensar, lhes confesso! Jamais imaginei que história tão trivial me levaria a reflexão tão insistente sobre a formação dos ''profissionais, cidadãos e pessoas'', em nossas escolas. .

Simples a tarefa, rezava o convite: compor júri, naquela final de semana (a do folclore), num concurso aberto a alunos da escola pública e particular, onde equipes deveriam construir mais arraias a serem postas no ar. Organizavam e dirigiam o evento, pessoas ligadas às áreas de ''educação'' e de ''arte e cultura''. .

Ao longo da feitura das pipas pelas equipes, sentia eu a presença de ''duas culturas'' em oposição. A dos professores exigia aos alunos ''atenção'', ''silêncio'', ''seriedade'' e ''trabalho''.

A dos artistas, em contraponto, sugeria às equipes ''desconcentração'', ''cochicho entre os do grupo'', ''aprender com os outros", ''sorrisos'', ''brincadeira'', enfim. Hora da merenda. Silêncio, fila, cada um a receber seu quinhão - era a palavra-de-ordem de professora. Ao longo da fila, o sussurro dos artistas: sem atropelos, cada um, na mesa, pegando seu lanche. Final da manhã. Sob dourado sol a pino, os papagaios projetam-se rumo ao azul dos céus. Curioso, lá foram ficando, mais numerosos, os produzidos em clima lúdico e cooperativo, onde sensibilidade estética e intuição se deram as mãos.

Na hora dos prêmios, falei da moral desta história: técnica e saber vão melhor tendo por pilastras a solidariedade e o senso estético. Dias depois, em reunião nacional, falava eu dessa lição na construção das ''competências básicas'' hoje, em nossa educação. Aí, dei pela voz em eco de minha mãe, analfabeta quase. ''Serviço porco'', jamais! A ordem era ''fazer bonito''. Um ''bonito'' longe do ''fazer feio'', a irmanar o belo e o bem (o estético e o ético) na construção do trabalho e da vida, como em nosso imaginário popular.

Marcondes Rosa de Sousa é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.