quinta-feira, 31 de dezembro de 2009


Esse ano não me pergunte “com que roupa eu vou?”.Não obedecerei às cores sugeridas, não farei simpatias visando um ano melhor.

Iemanjá que me perdoe, mas, flores não levarei. O banho de mar da sexta feira, sem medo esquecerei. Me entregarei ao acaso e nele apostarei.

Não quero entrar o ano, devedora de promessas que nunca cumprirei. Vou deixar a vida me guiar e nela navegarei. Quero entrar de peito aberto, pisando firme no chão, acatando o que me reserva novos tempos que virão.

Se vier dor chorarei e com o pranto lavarei minha alma. Se vier alegrias sorrirei, gargalharei animada. Provarei com a mesma nobreza do mel e do fel, a mim destinados.

Eu quero as surpresas da vida, não castelos desenhados, que qualquer vento desfaz. Não quero a esperança que não morre, mas certamente caduca entristecendo nossas almas.

Não quero viver com o olhar perdido em sonhos que não se realizam jamais. Quero viver realidades que pareçam sonhos vividos e muito mais satisfazNa verdade não vislumbrarei o famoso Ano Novo. Viverei o Ano Que Entra! continuação do passado, com suas alegrias, suas tristezas e intensamente vivido, jamais imaginado.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.