quinta-feira, 8 de maio de 2008

Frase do dia
"Já que o assunto é PAC, podemos dizer que o senador José Agripino pavimentou a estrada para a ministra Dilma brilhar."

Deputado Paulo Teixeira (PT-SP), sobre o líder do DEM, que questionou Dilma por ela ter mentido durante o regime militar

terça-feira, 6 de maio de 2008

O Amor - Por Eudismar Mendes


Convidada a falar sobre o amor, achei que era um tema facílimo.

Quebrei a cara!

Imagine o leitor que chego em casa, encontro minha neta de quinze anos e simplesmente faço-lhe a seguinte indagação:

_ Querida, o que é o amor?

_ A resposta vem sem demora!

_ É alguma coisa...

_ Alguma coisa como?

_ Ah! A senhora ta perguntando demais!...

A garota saiu pela tangente. Vou mais além, pois não atino com nenhuma resposta que eu gostaria de dar.

Saio e encontro uma pessoa desconhecida. Obstinadamente lhe digo:

_ Oi, você que passa, poderia me dizer o que é o amor?

_ Amor?... Ah! Sei não! Acho que a gente sente...

_ E como é este sentir?

_ Indago novamente.

_ Não sei explicar... Pô! Esta história de traduzir sentimentos não é comigo. Nem pensar...

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Frase do dia
"Além de ter nascido virado para a lua, Lula também nasceu com GPS."

Luiz Eduardo Greenhalgh, ex-deputado do PT paulista

sábado, 3 de maio de 2008

Vovó Ana do Arroz - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro


Fazia dias que vovó Ana acordava sem sua costumeira alegria. Uma angustia imensa invadia o olhar daquela terna criatura, deixando amigos e vizinhos aflitos.

Pelo vermelho dos olhos, notava-se que andava choramingando pelos cantos.

Não demorou muito tempo e a notícia se espalhou. Vovó Ana estava de mudança para a Capital. Ali no Arroz, seu pequeno lugarejo, ela vivia bem. Tinha uma casinha pequena, um bom quintal, onde criava suas galinhas.

A filha de vovó Ana, pré-supondo que ela não teria condições, pelo avançado da idade, de continuar vivendo sozinha no Interior, resolveu arrastá-la para a cidade grande. Lá, teria conforto, bons médicos, companhia da filha, do genro e dos netos.

Se não aceitou tudo de bom grado, vovó Ana também não se lastimou, enfrentou com dignidade a sua sina. Tudo já estava decidido, cabia a ela apenas vender seus poucos pertences e fazer a mudança de vez.

Só que, aquela doce vovozinha tinha uma grande paixão por suas galinhas. A família, composta por um galo e dez galinhas, nunca a deixou falando sozinha. O galo se chamava Trontim e as galinhas todas tinham um mesmo nome, Veaninha. Todos atendiam prontamente aos chamados da boa velhinha. Só comiam em bandejas. Durante o dia, milho, à tardinha, arroz.

Com os olhos mareados, presenciei a parte mais comovente deste episódio. A entrega das galinhas vendidas.

Vovó Ana, num fiapo de voz, chamava as aves que, uma a uma, vinham à sua mão, e em seguida eram entregues à compradora.

Ainda escuto ecos daquela voz meiga e carinhosa chamando suas aves:

-Vem, Trontim! Vem comer um “milhim”.

Saí triste daquela casa ao testemunhar o desencanto e a tristeza de Vovó Ana.

Não voltei mais lá... Mas soube notícias do choro daquela doce criaturinha, que estava prestes a deixar o lugar que por muito tempo foi seu ninho, sua vida e sua felicidade.

Vovó Ana é daquelas que falam com os bichos e também é entendida por eles.

Que tal, se nós, ditos racionais, dialogássemos mais com nossos queridos velhinhos e os entendêssemos melhor?

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará

Texto publicado originalmente no caderno DN Infantil - Diário do Nordeste

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Charge da semana


Sinfrônio - Diário do Nordeste (CE)

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Dia do Trabalhador - Por Tiago Dantas


Comemorado no dia 1º de maio, o Dia do Trabalho ou Dia do Trabalhador é uma data comemorativa usada para celebrar as conquistas dos trabalhadores ao longo da história. Nessa mesma data, em 1886, ocorreu uma grande manifestação de trabalhadores na cidade americana de Chicago.

Milhares de trabalhadores protestavam contra as condições desumanas de trabalho e a enorme carga horária pela qual eram submetidos (13 horas diárias). A greve paralisou os Estados Unidos. No dia 3 de maio, houve vários confrontos dos manifestantes com a polícia. No dia seguinte, esse confronto se intensificou, resultando na morte de diversos manifestantes. As manifestações e protestos realizados pelos trabalhadores ficaram conhecidos como a Revolta de Haymarket.

Em 20 de junho de 1889, em Paris, a central sindical chamada Segunda Internacional instituiu o mesmo dia das manifestações dos trabalhadores como data máxima dos trabalhadores organizados, para assim, lutar pelas 8 horas de trabalho diário. Em 23 de abril de 1919, o senado francês ratificou a jornada de trabalho de 8 horas e proclamou o dia 1° de maio como feriado nacional.

Após a França estabelecer o Dia do Trabalho, a Rússia foi o primeiro país a adotar a data comemorativa, em 1920. No Brasil, a data foi consolidada em 1925 no governo de Rodrigues Alves. Além disso, a partir do governo de Getúlio Vargas, as principais medidas de benefício ao trabalhador foram dadas nessa data. Atualmente, inúmeros países adotam o dia 1° de maio como o Dia do Trabalho, sendo considerado feriado em muitos deles.

Por Tiago Dantas, da Equipe Brasil Escola