quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Você vai no médico detectar que você está com um tumorzinho aqui, ao invés de fazer biópsia e saber como você vai tratar, já saiu dizendo que estava com câncer."

Lula, ao criticar a forma como o Ministério do Meio Ambiente anunciou o aumento da devastação da Amazônia

domingo, 27 de janeiro de 2008

Ensino superior gratuito e de qualidade - Por Ery Verônica / Ipueiras


Ipueiras está entre os 13 (treze) municípios cearenses selecionados para integrar o Programa de Ensino à Distância da Universidade Aberta do Brasil (UAB). O resultado da avaliação do processo seletivo dos Pólos de Apoio Presencial das cidades que irão ofertar os cursos da UAB foi publicado no Diário Oficial da União, nesta segunda-feira, dia 21, pelo Ministério da Educação.

Em Ipueiras, atua desde 1997 a Universidade Vale do Acaraú – UVA, mas com cursos pagos, o que inviabiliza o acesso da população que tem poder aquisitivo menor. Sendo assim, mesmo estando definido pela Constituição Federal que os Municípios atuarão prioritariamente na educação infantil e ensino fundamental (CF, art. 211, § 2º), a Administração "Ipueiras de todos nós!", dentro do seu projeto educacional "Educação, direito e ação de todos nós", manifesta a sua vontade de propiciar aos ipueirenses um ensino superior público, gratuito e de qualidade.

Então esse sonho do Governo Municipal de trazer a Universidade gratuita para o Município começou a se tornar possível a partir da elaboração do Projeto de integração ao Sistema de Universidade Aberta do Brasil, pela Secretaria Municipal de Educação, e que foi aprovado de acordo com os parâmetros do 2º Edital de Seleção da UAB, ficando entre os 271 pólos que serão implantados em 2008 em todo o Brasil, com previsão de início funcionamento no segundo semestre deste ano.

Segundo a Secretária de Educação, Lucirene Barbosa, se trata de uma grande conquista para o Município, que já é acumula pontos positivos na educação. "Estamos falando de um marco na educação municipal, pois já vivenciamos grandes avanços na gestão da educação infantil e fundamental, e agora também para o ensino superior. E isso foi resultado de um trabalho sério do Poder Público Municipal, voltado para o crescimento de nosso povo, de nossa terra", analisa.

O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) é um programa do Ministério da Educação, criado em 2005, desenvolvido a partir de fortes parcerias entre as esferas federais, estaduais e municipais do governo, visando expandir, democratizar e interiorizar a oferta de ensino superior público e gratuito no país.

A prioridade de atendimento do programa é a capacitação de professores da educação básica com a oferta de cursos de licenciatura e de formação continuada, contudo também disponibiliza vários outros cursos superiores nas mais diversas áreas de conhecimento, para qualquer cidadão, desde que tenha concluído a educação básica, e que, tenha sido aprovado em processo seletivo, atendendo aos requisitos exigidos pela instituição pública vinculada ao Sistema Universidade Aberta do Brasil.

No município de Ipueiras, a UAB ofertará os seguintes cursos:

Graduação:Licenciatura em Letras, Português, Espanhol e Licenciatura em Matemática

Pós-graduação:Educação para o Ensino Fundamental

Texto publicado originalmente no site: www.ipueiras.ce.gov.br

sábado, 26 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Não deixa de ser um pai para mim, não é?"

Governador Sérgio Cabral, do Rio, a respeito de Lula

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Charge da semana


Sinfrônio - Diário do Nordeste (CE)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

A arte de ser avó (avô) - Por Rachel de Queiroz


Raquel de Queiroz


"Netos são como heranças, você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu... É como dizem os ingleses, um Ato de Deus. Sem se passarem as penas do amor, sem os compromissos do matrimônio, sem as dores da maternidade trata-se de um filho apenas suposto. O neto é, realmente, o sangue do seu sangue, filho do filho, mais filho que filho mesmo... Cinqüenta anos, cinqüenta e cinco... Você sente, obscuramente, nos seus ossos, que o tempo passou mais depressa do que esperava.

Não lhe incomoda envelhecer, é claro. A velhice tem suas alegrias, as suas compensações: todos dizem isso, embora você, pessoalmente, ainda não as tenha descoberto, mas acredita. Todavia, também obscuramente, também sentia seus ossos,às vezes lhe dá aquela nostalgia da mocidade."

O texto acima é de autoria da escritora cearense Rachel de Queiroz, que morreu em 2003, deixando dois netos.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Pobre, quando comete um assassinato, ganha o matagal; o rico, transtornado, interna-se numa Clínica de Repouso."

Neno Cavalcante, jornalista

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Em sua porta o futuro - Por Marcondes Rosa de Sousa / Fortaleza

Partido do Ceará - provocação de Sérgio Machado. Momento nosso, na economia globalizada, para nós, em histórico reprise da União pelo Ceará e do Pró-Mudanças, contra "a miséria e o clientelismo"

"Vocação de resina" impele-me ao juntar forças em cacos: intelectuais, gestores, políticos. Moral política, em baixa, entre nós: 91% no País; 81%, no Ceará. Mundo econômico, sob o ilusório boom da construção civil. Agricultura, nem mesmo a familiar, sob a distorção das "bolsas", nada atentas ao "vicio da esmola", alertado por Gonzagão e Zé Dantas...

No mundo acadêmico, o morrer na praia: educação nossa, entre as piores do mundo. Nas IES do Estado, greve crônica. Piso salarial reposto pelo STF adiando-se, sob grosseiros dribles, para "quando todos nós mortos", ouvi de colega. Quadro análogo, na UFC: depressões, descrenças, suicídios até. Área privada, docentes a se queixarem, "jumentos de verdureiros". O apelo ao repensar, como outrora, a nos reunir sob o milagre da reposição de sentimentos e armas. Como outrora, nos anos 80. Em torno de Celso Furtado, a irmanarmo-nos com as perspectivas de um "crescimento a se metamorfosear em sustentável desenvolvimento". E, nesse tom, a indagação "Para onde vai a universidade brasileira?", o País, no diálogo entre os "de dentro" e os "de fora" do mundo acadêmico.

Surpreendo-me. De todos os cantos, o "contem comigo". Como os de Paulo Elpídio, a sediar, na UFC dos anos 80, esse clima. E, do frio em Washington, Antônio Gomes Pereira, outrora a indagar o "para onde" dos "jardins de Academo nacional, a nos falar do futuro a nos chegar "de repente, sem sequer bater na porta". E dos tigres asiáticos, "que mudaram de zoológico (...), de vocabulário, prioridade e tecnologia".

Você, o que diz?

Texto publicado originalmente no jornal O Povo, de Fortaleza.

Marcondes Rosa de Sousa é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Dilma deve começar a rezar já para que chova bastante e para que Edison Lobão não seja um desastre. O apagão energético será também o blecaute de seus planos políticos para 2010."

Senador Demóstenes Torres (DEM-GO)

domingo, 20 de janeiro de 2008

O Buraco da bala - Por Dalinha Catunda / Rio de janeiro
Essa é mais uma das muitas histórias do folclore ipueirense. Afirmo e confirmo que muitas vezes a caminho das Barreiras, onde meu pai possuí as terras, passei e parei para ver o tal buraco da bala junto aos meus irmãos. Buraco esse, que aguçava a minha curiosidade de menina e acompanhou-me até os dias de hoje. O famoso buraco era a prova viva de um assassinato e de uma promessa de vingança cumprida e costumeira nos antigos sertões nordestinos.

Desde sempre tive interesse em esmiuçar essa história que virou lenda em Ipueiras, o buraco que resiste a ação do tempo, e permanece aberto para quem quiser confirmar a veracidade, ou não,da história.Tudo começou quando mataram um membro da família Leite.O assassino foi preso, porém, depois de certo tempo ganhou permissão para passar os domingos em casa, voltando antes do anoitecer para dormir na cadeia. Os irmãos da vítima inconformados com o crime, juraram vingança e preparar uma emboscada para pegar o assassino.

O cenário do acontecimento era o cemitério e redondezas, no dia da perseguição foi um corre-corre danado, bala de revolver para todos os lados, mas nenhuma acertava o criminoso que se esquivava entre túmulos e cruzes. Também corria um boato que o criminoso tinha o corpo fechado e uma bala comum jamais alcançaria seu corpo. Sabendo disso, um sujeito da família dos Militão trouxe uma espingarda lazarina com uma bala de ouro e entregou um dos irmãos do finado para dar continuidade a perseguição, enquanto isso, o perseguido pulou o muro do cemitério e correu o mais que pode, em vão, pois logo foi atingido pela bala de ouro da lazarina que atravessou o seu corpo e pipocou no chão abrindo um buraco que jamais se fecharia denunciando para sempre o lugar do crime.

Dizem que o assassinado mesmo atingido chegou a correr alguns metros até tombar perto de uma grota onde até hoje existe uma cruz.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará

sábado, 19 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Preferi ser imprudente a ser evasivo."

Mangabeira Unger, ministro de Assuntos Estratégicos, a propósito de sua idéia de transferir água do Amazonas para o Nordeste

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Eu quero pedir uma oração a todos que gostam de mim, podem rezar pelo menos um Pai Nosso.O câncer não é brincadeira."

José Alencar, vice-presidente da República

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

A janela e o sonho - Por Marcondes Rosa de Sousa / Fortaleza
Lá estávamos nós, personagens de nossa vida sociopolítica. Na pauta, o projeto político cearense, em suas três últimas décadas. De início, o quadro de agora. A explicá-lo, o Movimento Pró-Mudanças, nos anos 80, sob a mítica do "acabar com a miséria e o clientelismo, a nos arrastar a nós todos. Desde então, " por mares nunca dantes – navegados" , por entre " mares vermeIhos" – das "pragas egípcias" à "terra prometida", viajamos em busca dos "manás", feitos chuva, "caídos dos céus", a em nós rebrotar o verde, fazer correr "leite e mel", e irrigar dignidade e inclusão social.

Decerto que andar, andamos. Mas nos resta muito chão a palmilhar. Dele, arrancamos as ervas daninhas do clientelismo. E, nele, brotam já sementes à espera da justiça social. Sinal disso, olhares e créditos atraidos do país e do mundo. Dissensões rnuitas (é verdade) no curso dessa jornada. E solidões, em crescendo, a quedar nos "monólogos coletivos" (de Plaget), a balbuciar dissonâncias.

E o sonho? Acabou? Não! Mas é hora sim de reconvocação geral, para a correção de rumos e trilhos, em seu percurso. No grupo. há quem não seja tão otimista: intelectuais, gestores e politicos, outrora abertos em fórum, agora se fecham, descrentes, em seus próprios conflitos. E os partidos políticos vêem-se a carimbar, com marcas de ferro-em-brasa, reses levadas por "donos" onde quer que os atraia o poder.

Sem saída! À porta, o trinco enguiça. E, no grupo, um empresário (por ironia, o mais descrente) é quem dá com uma janela por onde saltamos. E esta janela, como símbolo, me fica. Quem sabe, a saída é mudar de ótica e ver os conflitos, produtivos, como diálogo a sanar arranhões e recobrar, ao seio do coletivo, as solidões.

Sem isso, é malhar em frios governos e sonhos, sem mítica e participação, em caminhada sem horizontes. E pior: sem sal e sem cor!

Texto publicado originalmente no jornal O Povo, de Fortaleza.

Marcondes Rosa de Sousa é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Frase do dia
"A saúde está cansada de ser usada para enganar o povo"

Deputado Raphael Guerra (PSDB-MG), sobre a possibilidade de criação de tributo só para a área

domingo, 13 de janeiro de 2008

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Vocês são muito cruéis. Todo mundo tem direito de ir à praia, menos os senadores? Não estou entendendo a democracia de vocês."

Garibaldi Alves (PMDB), presidente do Senado

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Educação profissionalizante - Por Marcondes Rosa de Sousa / Fortaleza
Mil e duzentos Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) implantados no País nos próximos três anos, seguindo o exemplo do que vem sendo feito no Ceará. A proposta é do deputado federal Ariosto Holanda e foi apresentada aos ministros da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, e do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias. A idéia dos Centros é capacitar pessoas que hoje não freqüentam mais a escola formal, mas precisam de conhecimentos para acessar o mercado de trabalho.

Os recursos para financiar essa capacitação devem vir do projeto de lei 7.394, que hoje tramita na Câmara dos Deputados. O projeto prevê recursos anuais da ordem de R$ 500 milhões por meio do Fundo de Extensão da Educação Profissional. O ministro do Desenvolvimento Social afirmou que a pasta trabalha "com muito carinho e determinação na idéia de criar uma secretaria de geração de oportunidades de inclusão produtiva, voltada única e exclusivamente para a dimensão da capacitação profissional". A nova secretaria deve promover o treinamento de pessoas carentes e qualificar estes profissionais para o mercado de trabalho, promovendo a inclusão digital, o apoio ao cooperativismo e a formação de empreendedores.

Holanda afirma que além de implantar o CVT é preciso cuidar da gestão. A idéia do deputado é entregar a gestão dos Centros ao Cefet. "O Ceará partiu na frente. Este ano, conseguimos liberar emenda de bancada de R$ 18 milhões e o Cefet já vai implantar seis CVTs para operacionalizar, e mais 44 Centros de Inclusão Digital, mostrando o exemplo que vai ser seguido por outros estados", afirma. O Estado hoje conta com 40 CVTs que formam a rede do Instituto Centec , vinculado à Secretaria da Ciência , Tecnologia e Educação Superior. A meta é que 10 Cefets sejam implantados no Estado, correspondendo a 50 CVTs dispostos em volta de cada unidade.

Texto publicado originalmente no jornal O Povo, de Fortaleza.

Marcondes Rosa de Sousa é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Rezem para mim.O negócio está feio. Estou saindo satisfeito porque sou assim mesmo, mas que a coisa é preta, é."

José Alencar, vice-presidente da República, ao falar sobre sua saúde depois de sair do hospital. Ele sofre de câncer.

domingo, 6 de janeiro de 2008

Produtos do Ceará - Por Antônio de Albuquerque S. Filho / Fortaleza


O turista que chega ao Ceará e visita o centro de artesanato - o Mercado Central, por exemplo - procura adquirir, além de confecções, artigos produzidos pelo setor agropecuário: derivados do caju (principalmente a castanha), queijo de coalho, farinha de mandioca, rapadura, aguardente e doces caseiros.

Por conta disto, o Sebrae-CE, nos anos de 97-98, contratou especialistas para estudar a qualidade desses produtos, através de pesquisas, em todo o Estado, visando à melhoria da qualidade e para criar uma padronização através de "selos" específicos.

O professor Francisco Teles , do Departamento de Tecnologia do Centro de Ciências Agrárias da UFC, encarregou-se do queijo de coalho. Por intermédio de equipes de pesquisadores, percorreu as zonas produtoras, identificando, como fatores de baixa qualidade dos produtos, não somente a ausência de pasteurização do leite (comprovada pela presença de coliformes fecais), mas também armazenamento inadequado e embalagens fora do padrão, dentre outros. O professor Renato Casimiro, também da UFC, analisou a produção artesanal da aguardente local, encontrando alto teor de cobre - componente que é poderoso fator causador do câncer hepático - bem como resíduos de metanol, adição de caramelos de amido de milho, visando alterar a coloração da bebida, além da presença de traços de detergentes líquidos, para aumentar artificialmente a durabilidade da bebida. Já o engenheiro agrônomo Raimundo Antônio, da Ematerce-CE, fez levantamento completo sobre a farinha de mandioca, a qual, por ser cozida em fornos de tijolos, apresenta várias impurezas.

Estados como Minas Gerais, Pernambuco e Paraná têm realizado ações para melhoria desses produtos. Apesar de todo esse esforço de estudo e pesquisa realizado e dos recursos investidos, até agora os órgãos responsáveis parecem solenemente ignorar a questão, deixando de reconhecer que o Ceará precisa urgentemente promover mudanças na fabricação de tais produtos, de modo a garantir a sua qualidade.
Esta meta constitui um desafio. E a criação de um selo de qualidade seria, no mínimo, um bom início.

Antônio de Alburquerque S. Filho é professor aposentado da UFC, onde foi reitor .

sábado, 5 de janeiro de 2008

Frase do dia
"Foi um jogo que joguei. A conta caiu no meu colo, eu sei. Eu era o mais conhecido, o mais visado."

José Dirceu à revista Piauí

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Charge da semana

Sinfrônio - Diário do Nordeste (CE)

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Meu Baio - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro



Ele olhou nos meus olhos.
Nos olhos dele olhei.
Que era xucro eu sabia.
Não tive medo, montei.
Dos seus movimentos bruscos,
o ritmo acompanhei.
Encantava-me a impetuosidade.
Não caí, nem escorreguei.
Bem mais do que oito segundos,
em cima do bruto fiquei.
Hoje não pode me ver,
que já relincha pra mim,
pois sabe que no meu pasto,
é dele o melhor capim.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Defeito era ser bom - Por Marcondes Rosa de Sousa / Fortaleza
Na rua onde moro, observo papos de pessoas saídas de velório na igreja do Menino Deus, no bairro Luciano Cavalcante, de jovem brutalmente ali assassinado. De manhã, o assassino esfaqueara a senhora, tentando arrancar-lhe a bolsa, afugentado por guardas da Câmara Municipal. À noite, na mesma rua, tentara do vizinho, estorquir dinheiro para drogas, tomara-lhe a moto, esfaqueando-lhe cabeça e costas, deixando-o a ali agonizar. Patrulha policial, ao passar, negara-se ao socorro: "Problema de vocês. Fomos escalados para outra ocorrência". Na delegacia do bairro, policial se escusa: "Não vou sujar as botas, entrando no mangue, atrás de drogado!"

No papo, dizia-se do assassino: "Matava cachorro e gatos, guardando-lhes a carne na geladeira para comer". E do pedreiro, pai da vítima, o lacônico depoimento: "Só tinha um defeito. Era bom. Por isso, morreu como morreu". Nos papos, o desencanto com nossos valores: honestidade, trabalho, ética. E sentidos queixumes sobre alienação de nosso marketing, onde segurança e estética urbana pautam-se pelos figurinos da visão narcísea de nossos políticos.

Entre intelectuais, dou testemunho da alienação depressiva e crescente com o chegarmos ao fundo do poço, nessa questão. O fim dos tempos! Tento ver apocalipse à luz da bíblica acepção de revelação, aviso e renovação de ciclo. Mas alguns já vêem, a nos rondar, o Anticristo, com data marcada para o "juízo final".

Da área política, ouço vozes em prol do resgate da ética. Animo-me. Daí, evocar aqui a queixa de que "a dor da gente não sai no jornal". E isso com a de um pai: "Era bom e, por isso, morreu" Nela, o recado de nossos eleitores sobre a visão equivocada do marketing de nossos políticos: a do chão falso e manco a nos embasar o direito à vida. No País, no Ceará e nesta Fortaleza a iludir-se de ... bela!

Marcondes Rosa de Sousa é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Ceará (UECE).