terça-feira, 9 de setembro de 2008

Waldick Soriano - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro


Num passado não muito distante, nós, mocinhas do interior,
Éramos surpreendidas no meio da madrugada pelo canto dos apaixonados,
Que nos prestigiavam com belas serestas.

Quem um dia no interior do Nordeste, em certa época, não ouviu de um caboclo apaixonado as canções que diziam:

“Eu não sou cachorro não, pra viver tão humilhado...”
“Fica comigo esta noite, que não te arrependeras...”
“Amigo, por favor, leve esta carta e entregue aquela ingrata e diga como estou...”

Todas essas músicas são do repertório de Waldick Soriano, representante nordestino, pioneiro no romantismo popular, rotulado de Brega.

Waldick Soriano, hoje sobe mais um degrau, foi para o andar de cima, deixando uma legião de fãs desolados com sua partida e uma infinidade de musicas que continuarão sendo cantada por seus seguidores.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.