domingo, 7 de setembro de 2008

O Dia da Pátria - Por Bérgson Frota / Fortaleza


Na década de setenta, em pleno regime militar, no dia da Pátria todas as cidades do interior do Ceará faziam grandes ou pequenos desfiles, que em alguns municípios se destacavam pela pompa e organização enquanto noutros numa simples comemoração.

Já no início do mês de agosto, em Ipueiras, sempre depois das aulas da tarde, precisamente na quadra do ginásio, começavam os ensaios de bateria para o desfile de sete de setembro.

O ritmo cadenciado mais destacado era o dos tambores, e durante todo o mês, até o seguinte, eram ouvidos pontualmente, no fim de tarde os sons ritmados, alternando com outros instrumentos, fazendo um todo cadenciado na comemoração.

Assim se preparavam para o desfile do sete de setembro os alunos do Colégio Otacílio Mota, dos grupos Padre Angelim e Aloísio Aragão e do Educandário.

A amplificadora acordava às cinco da manhã a cidade, e nós alunos cedo nos arrumávamos para ir ao grupo escolar que pertencíamos e de lá organizados nos dirigirmos a praça Sebastião Matos, em frente ao colégio.

A primeira fila do desfile era liderada pelos bateristas vindo atrás os representantes dos Estados.

Figuras da nossa história, os escravos, os imigrantes e finalmente os alunos que com suas fardas eram antecedidos por uma faixa que identificava o grupo escolar que representavam.

Durante toda marcha havia professores que de forma ágil orientavam os alunos e as diversas seções de filas.

Assim formava o desfile um belo espetáculo cívico.

Fazíamos o caminho pelas principais ruas da cidade e finalmente parávamos em frente à prefeitura onde em fila ouvíamos os discursos das autoridades municipais, que exaltavam a importância do sete de setembro e o significado do patriotismo.

Hoje, em Fortaleza, ao assistir o desfile me vem à lembrança do som dos tambores, dos fins de tarde em ensaios, do dia da grande apresentação no desfile e sou tomado pela nostalgia daquela manifestação que primeiro nos acordava o civismo e assim nos marcava de forma indelével para toda vida.

Texto publicado originalmente no jornal O Povo, de Fortaleza.

Bérgson Frota é professor visitante da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e professor de Grego Clássico no Seminário da Prainha

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.