sexta-feira, 30 de novembro de 2007

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Frase do dia
"E o taxista curioso: Doutor, será que desta o Lula se "Freud?" "

Raimundo Nonato de S. Lima - Brasília

terça-feira, 27 de novembro de 2007

A amortalhada - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro
Amedrontando crianças e deixando adultos menos corajosos de cabelo em pé, por muito tempo se viu e ouviu falar da figura dos amortalhados, principalmente no interior nordestino.

Por trás de cada mortalha vestida, havia, com certeza, uma história forte de culpas e pecados a serem reparados. Assim sendo a mortalha fazia parte do ritual de expiação aplicado ao grande pecador.

Contam que certa vez, uma linda moça, porém muito Jovem, queria ir a uma festa. Mas pela pouca idade só poderia ir acompanhada dos pais. Sendo filha de uma pobre viúva, pai ela não tinha. A mãe, no momento adoentada, não poderia acompanha-la a tão desejada festa.

A jovem descontrolada num ímpeto de raiva e loucura, como se tivesse possuída pelo demônio, deu uma surra na pobre viúva que ficou prostrada durante muitos dias.

Vendo o sofrimento da mãe, não demorou muito tempo, bateu o arrependimento na filha desnaturada. Tentando acabar com o remorso que lhe doía na alma foi até a igreja e contou tudo ao padre em confissão.

O padre, após ouvir atentamente o relato absurdo da jovem, aplicou-lhe a penitência merecida: Durante cinco anos a filha desalmada, teria de perambular pelas, ruas, becos e estradas vestida numa mortalha, e toda vez que passasse em cemitérios e igrejas teria de parar para rezar um rosário.

A jovem cumpriu religiosamente sua penitência fazendo assim as pazes com Deus e obtendo o perdão de sua mãe.Agora ela poderia ir a festa tão sonhada que acontecia todos os anos. Sua mãe gozava de boa saúde, ela já tinha idade suficiente para freqüentar as festas e tinha expiado sua culpa.

Bem vestida, foi ao baile, mas não teve um cristão que a tirasse para dançar, pois ninguém queria dançar com uma moça que no passado vestia-se com mortalha.

Texto publicado originalmente no jornal O Povo de Fortaleza.

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Frase do dia
"Uma reeleição só basta. É convicção dele [Lula]. Ele tem a convicção de que não é bom para o país. Uma reeleição no máximo."

Ministro Luiz Dulci, Secretário Geral da presidência da República