quarta-feira, 22 de novembro de 2006

Evocações da feira antiga - Por Walmir Rosa / Fortaleza


Voltei à Ipueiras antiga, com sua "reportagem" sobre a feira de Ipueiras, querida Musa Dalinha .Revi o calçamento de pedra marron, desigual, do quarteirão defronte ao mercado, no ficavam, do lado esquerdo da Rua Padre Angelim, o Armazém do Seu Sebastião Matos, chefe político da UDN, a loja de tecidos do Seu Edmundo Medeiros; a Farmácia do Seu Idálio, a loja A Pernambucana (depois loja do Zé Morais, a Farmácia do Nilson, o Armazém do Seu Pedro Aragão, chefe político do PTB, e o armazém do Seu Raimundo Aragão, pai deste último). Do outro lado, no Mercado, dentre outros, os estabelecimentos comerciais, de Aquiles Lima, Moacir Mourão, Antônio Luciano...
Passeei, como fazia em menino, por entre surrões, sacos e jacás de gêneros alimentícios e frutas diversas, comi pitombas, chupei pirulito, comi manzape. A propósito do manzape, só não senti mais saudade do gosto porque, recentemente, em conversa com um grande amigo, Basílio, das bandas do Crateús, sobrinho do Pedro Basílio, grande jogador do Fortaleza em outros tempos, ligado aquele a Ipueiras por seu descendente de Antônio Severo e José Severo, disse-lhe que tinha muita vontade de experimentar novamente o gosto do manzape, do meu tempo de menino.
Prestimoso, em viagem a Crateús, sua terra, trouxe-me um pedaço de manzape, com as devidas desculpas de que tinha reservado para si o pedaço maior, porque nele, também, as audades das comidas de criança eram muitas. Resgatei o manzape, que para estrangeiros é o mesmo pé-de-moleque, com a variação coco-da-Bahia para coco-babaçu.
Realmente, a feira antiga dava ênfase aos produtos locais. De estranho, mesmo, só os retratistas, que montavam seu equipamento fotográfico lambe-lambe próximo à parede lateral do Armazém do Seu Sebastião Matos e documentavam a fisionomia dos fregueses, habilitando-os à cidadania, seja com a obtenção de um título eleitoral, uma "Carteira do Ministério", (Carteira Profissional ou hoje, Carteira de Trabalho). Nesse tempo era incomum alguém da cidade possuir Carteira de Identidade, que só se "tirava" na Capital. Nunca vi uma, até sair de Ipueiras.
A feira, hoje, perdeu suas origens. Em todo lugar, é uma mesmice. São confecção, bordados, sapatos, sandálias, ferramentas, disco pirata de CD e DVD, artefatos de moda. Enfim, consome-se muito, mas come-se pouco. Só frango de granja, frutos e verduras das Centrais de Abastecimento (até uva e maçã tem, que a gente só conhecia de nome, nem de retrato). *PC*

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.