terça-feira, 22 de agosto de 2006

Santa Feliciana da América - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro


Capela de Santa Feliciana no distrito de América

Como toda cidade do interior, Ipueiras é rica em seu folclore, destacando-se como celeiro de interessantes estórias, "causos" e lendas.
São histórias que foram passando de boca em boca, entre um cafezinho e outro, nas palestras animadas de calçadas e alpendres.
Embora me considere uma entusiasta dessa temática, não tenho a pretensão de ser um Leonardo Mota. Pesquisador do folclore nordestino que contou tão bem nossos costumes e tradições. Mas me arrisco a pesquisar e repassar o que não deve cair no esquecimento coletivo.
Entre muitas lendas que povoam o imaginário popular de nossa gente Como:
O buraco da bala, O Lobisomem da vila Cuncun, O tronco de amarrar valente, A cruz da finada Marta, Santa Feliciana da América, eu dou destaque a essa última.
Não me lembro quando ouvi pela primeira vez esta história. Mas recordo que muito me interessou, além de emocionar-me.
Fui até a América, município de Ipueiras, fotografei a pequena capela, seu altar, e fiz uma boa pesquisa sobre a Santa Milagreira.
Dona Biluca, hoje falecida, moradora antiga do lugar, me presenteou com preciosas informações, que bem guardadas me servirão no futuro. O depoimento dos moradores é tão ou mais importante que a própria lenda.
A história da Santa da América, é contada em várias versões e uma delas eu repasso nesta crônica em homenagem ao 22 de agosto, dia do folclore.
"Contam que uma criança fraca do juízo e órfã de mãe.
Maltratada pela madrasta, sumiu no mato.
Foi encontrada morta, ao pé de uma palmeira.
Lá foi enterrada, onde se plantou uma cruz.
Algum tempo depois, lá estiveram alguns missionários,
e levaram o corpo dela que se tinha santificado.
A cova estava aberta, sendo fechada pelo vento,
Com areia branca e fina"
Dizem que a menina que virou santa já fez muitas curas milagrosas, daí o motivo de transformarem em capela, o lugar onde antes era apenas uma cruz. *PC*

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.