segunda-feira, 3 de abril de 2006

Violão Misterioso - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro


Esta é a história de Deia e de Dalila, duas meninas que morriam de medo de assombração. Mas a velha tia, ao lhes ensinar o catecismo dizia que só quem costumava dormir sem rezar via coisas do outro mundo.
Por isso as duas sempre rezavam, erguendo juntas a mão direita para o alto. Em seguida pediam a benção dos pais e deitavam-se.
Certa noite, Deia e Dalila foram surpreendidas pelo som de um velho violão que ficava encostado num canto do quarto.
Acenderam a luz, e o som não se repetiu.
Vamos apagar a luz e dormir, titia diz que temos um anjo da guarda e ele sempre está nos vigiando.
- Disse Dalila.
- Mas mal apagaram a luz e o som estranho voltou.
- Mãããe o violão tá tocando sozinho ! Gritaram juntas.
Pedindo calma as crianças a mãe verificou e não achou nada estranho no quarto.
- É o medo que faz vocês ouvirem o que não existe, vão dormir que logo passa.
As duas imploravam
- Mãe não vá, não vá, fique com a gente !
Não vendo outra alternativa a mãe ficou no quarto até que elas sossegassem e dormissem. Quando isso aconteceu, a mãe preparando para sair ao apagar luz ouviu no violão o estranho barulho.
Com a gritaria das três, o pai correu rápido para o quarto e ficou sabendo do acontecido entre choros e gritos.
- Calma minhas filhas, deve haver explicação ! Assombração não existe, vamos ver o que está acontecendo.
Os quatro esperaram com olhos bem abertos e a luz acesa. O silêncio tomava conta do ambiente... então outra vez o barulho.
Rápido o pai correu para o violão chegando a ver um ratinho saindo de dentro do instrumento. Era este o fazedor do barulho causador de tanto medo.
Apenas um ratinho que levava na boca pedaços de jornal que ao riscarem nas cordas do instrumento o faziam vibrar.
As meninas então sossegadas foram dormir, conscientes de que era o medo que as fazia verem coisas que não existe.
De fato por causa deste medo muitas vezes costumamos criar nossos monstros.*PC*

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará.
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.