segunda-feira, 13 de março de 2006

Apostando na vida - Por Dalinha Catunda / Rio de Janeiro



Às vezes eu me aborreço,
às vezes me entristeço.
Noutras tantas sou infeliz,
porém vou tocando a vida,
curtindo a ânsia atrevida,
de apostar no porvir.

Não quero olhar a vida,
apenas por uma janela.
Não quero viver suspirando,
feito eternas donzelas.
Se viver é correr risco,
encaro sem medo a mazela.

Eu quero o gozo da vida,
quero abrir feridas.
Sangrar se preciso for,
quero o choro da partida,
de cada paixão colhida,
que ardeu e se apagou.

Só não quero viver a apatia,
de uma vida sem magia,
de quem se desencantou.
Atrás das cores da vida,
sou primavera florida,
que o tempo não desbotou.*PC*

Dalinha Catunda é escritora e natural de Ipueiras, Ceará
.
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.