sábado, 18 de fevereiro de 2006

O Palhaço Pirulito - Por Bérgson Frota / Fortaleza


Pirulito era um garoto de 10 anos que morava com as tias e tinha um sonho: queria ser palhaço. Bastava uma festa e lá estava o garoto a fazer rir a meninada e os adultos.

Seu sonho sempre aumentava quando chegava um circo na cidade.

Então ele se animava todo e corria gritando com sua tábua de pirulito pelas ruas até conseguir o dinheiro necessário para o ingresso.

Seu apelido vinha da profissão.

As tias nada sabiam da vontade do garoto e assim ele podia, como brincadeira, repetir em casa as palhaçadas que tinha visto no circo.

Um dia, a vontade ficou mais forte. Pirulito já tinha 13 anos e não esquecia o seu desejo de ser palhaço. Bastou um circo chegar e o garoto se animou.

Estava decidido e com coragem foi pedir trabalho.

Sabia fazer de tudo até alimentar os leões se fosse preciso, assim ele disse para o dono do circo que o olhava curioso.

Foi aceito e quando o circo partiu lá se foi com ele Pirulito.

Trabalhou como armador de tenda, lavador de elefantes até de auxiliar de trapezista. E foi então que chegou a grande oportunidade, Girassol, o palhaço oficial, ficou doente e sem ter substituto, o dono ficou desesperado. Um circo sem palhaço era como um dia sem sol.

Pirulito pediu a chance e logo se aprontou. Mostrou o que sabia e tirou riso até do velho Girassol que a tudo assistia.

Na apresentação para o público, o garoto fez todo o circo gargalhar.

O sonho de Pirulito se realizava, era agora um palhaço profissional.

Daquele dia em diante, Pirulito e Girassol passaram a ser os dois melhores palhaços já vistos num circo; e por onde este passava, deixava na meninada e nos adultos a contagiante e eterna alegria que só os palhaços sabem dar.*PC*

Publicado no caderno DN Infantil do jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza.

Bérgson Frota é professor visitante da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e professor de Grego Clássico no Seminário da Prainha - Fortaleza.
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.