quarta-feira, 4 de janeiro de 2006

Um pracinha de Ipueiras - por Bérgson Frota / Fortaleza



Sessenta anos se passaram e o mundo continua a lembrar as tragédias da II Guerra Mundial, histórias de um holocausto, período em que a humanidade mostrou seu lado mais negro.
Para um jovem de 23 anos, Olavo Moreira Catunda, o ano de 1942 foi marcante, precisamente no mês de julho recebia ele do prefeito de Ipueiras, na época quem exercia na cidade o cargo de chefe do serviço militar, sua convocação para a guerra.
Em 20 de julho partia de Ipueiras em direção a Sobral onde seria reunido a outros convocados oriundos de cidades vizinhas da zona norte do Estado.
Os convocados demoraram pouco na cidade sendo enviados a Fortaleza e depois embarcados para Natal, onde durante dois anos integraram o 16º RI (Regimento de Infantaria), logo depois em outubro de 1944 juntamente com uma tropa numerosa partiram em direção ao Rio de Janeiro onde embarcaram no grande navio de tropas americano M.C. Meigs, que levava entre tropas e tripulação 8 mil homens para os campos de guerra na Europa.
A travessia do Atlântico foi a primeira grande prova para os pracinhas, por ser um grande alvo a submarinos alemães, o navio americano foi acompanhado por duas lanchas torpedeiros, um grande encouraçado e mais dois navios de guerra brasileiros com tropas sendo um deles o célebre Duque de Caxias.
Ao fim de dezesseis dias de viagem desembarcaram no porto de Nápoles (Itália) entre final de novembro e início de dezembro de 1944. Olavo Catunda fez parte do segundo grupo de brasileiros incorporados ao 5º Exército Americano.
Desempenhando papel de bravura em combates num clima hostil de inverno avançaram pela região da Toscana fazendo em grupos divididos o recuo em mais de 400 quilômetros das tropas germânicas.
Conquistas como Monte Castelo (o mais demorado e onde mais brasileiros caíram), Montese, Fornovo, Zocca, Collechio, Soprassasso, Castelnovo e La Serra ficaram marcadas na vida deste pracinha cearense.
No fim da guerra regressou à Nápoles, logo embarcando para o Rio, chegando a Ipueiras em novembro de 1945 com o título de segundo sargento da infantaria sendo depois reformado para o posto de segundo tenente.
Olavo Catunda ainda em Ipueiras foi nomeado prefeito durante o ano de 1947, depois vindo a residir em Fortaleza.
No ano em que o Grande Conflito completa 60 anos, este pracinha cearense contempla um passado não tão feliz, pela morte de tantos companheiros e a lembrança de tanta destruição, mas com a consciência tranqüila de que cumpriu na Grande Guerra seu maior e mais difícil dever cívico.

Bérgson Frota é professor visitante da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e professor de Grego Clássico no Seminário da Prainha - Fortaleza.
Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.