segunda-feira, 2 de janeiro de 2006

O Sapo e a Lua - Por Bérgson Frota / Fortaleza


Numa pequena lagoa nas encostas de um monte vivia um sapo. Mas não era um sapo comum, era ambicioso e, enquanto os outros sapos cantavam, procurando acasalar-se, ele virava os olhos para o céu e contemplava apaixonado a lua.

Todas as noites, quando já escurecia, ele virava os olhos para cima procurando o prateado disco.

A lua notou um dia aquele olhar amoroso e de uma forma que só o sapo percebia ela passou a lhe corresponder.

Os sapos riam dele, daquele sapo que só tinha olhos para o céu e em toda a lagoa ele era motivo de chacota.

O sapo se entristecia, pois sabia que seu amor, embora correspondido, nunca seria concretizado. Ele queria subir à lua e ficar juntinho dela. Como poderia, se ela ficava tão longe, lá no céu?

A conselho de um jacaré, passou a pular mais alto do que todos os outros sapos, na intenção de num dos pulos chegar junto da lua.

Mas tudo era em vão e ele acabava cansado e cada vez mais desanimado.

Um dia começou uma forte ventania que obrigou a todos os pequenos animais da floresta a se abrigarem. O vento se transformou num forte tufão, então o sapo teve a idéia de se jogar na ventania e talvez assim chegar a sua amada lua.

No meio do tufão o sapo rodopiou e foi subindo, subindo até sumir por completo.

Da floresta então o sapo desapareceu.

Na primeira lua cheia, seus companheiros, cheios de inveja, viram na lua o pequeno sapo a pular alegremente no seio de sua amada. Esta foi a sua recompensa por acreditar no impossível. *PC*

Texto publicado originalmente no jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza.

Bérgson Frota é professor visitante da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e professor de Grego Clássico no Seminário da Prainha - Fortaleza.

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.