sábado, 19 de novembro de 2005

José Arimatéa Catunda - Por Carlson Frota Catunda


Filho do comerciante Luiz Malaquias Alves e de Maria Catunda Malaquias, neto do Tenente Coronel da Guarda Nacional Malaquias Alves, de quem herdou o fenótipo atlético, José Arimatéa Catunda nasceu em Ipueiras, interior do Ceará, em 19 de novembro de 1935.

Estudou no Educandário Nossa Senhora da Conceição, sob as orientações pedagógicas do Professor Contador Sebastião Matos Sobrinho, destacando-se, segundo este, nas matérias da área de Exatas. Em seguida iniciou o Segundo Grau na então Escola Normal Rural de Ipueiras, atual Colégio Estadual Otacílio mota, concluindo em 1955 o primeiro ano.

José Arimatéa Catunda notabilizou-se mormente pela disposição física. Excepcional dono de uma rara inteligência cinestésica, destacava-se em todos os esportes: no vôlei, saltava a altura incomensurável e dada a potência de sua explosão muscular cortava com ambas as mãos; no futebol, colocava-se muito bem, detinha completa ciência dos espaços demarcados pelas quatro linhas do gramado, chutava com as duas pernas e foram poucas as partidas que jogou pela Seleção de Ipueiras nas quais não marcou gols. Após jogar em Santa Quitéria, tendo destacado-se, foi comparado pelo então presidente do Ceará Sport Clube de Fortaleza, José Maria, ao jogador Zizinho (Mestre Ziza, ator da Copa de 1950), fato que lhe valeu convite para exame no Clube do Ceará, rejeitado pelo bairrista atleta que não deixava Ipueiras por "nada no mundo", segundo as suas própria palavras.

Em 1956, no Sete de Setembro, enquanto cursava o segundo ano da Escola Normal, um acidente trágico interrompe a sua capacidade motora, deixando-o paraplégico, indo, por orientação do Dr. Rocha Aguiar, tratar-se em Fortaleza no Pronto Socorro Particular, atendido pelo Dr. Roberto Bruno e conduzido para a Clínica dos Acidentados sob os cuidados do traumatologista Jorge Romcy. Visitado por seu primo médico ortopedista Dr. Chico Catunda, foi por este aconselhado a tratar-se no Rio de Janeiro, onde a medicina desta área era supostamente mais desenvolvida no Hospital Garfre do Rio de Janeiro. Em 29 de Julho de 1957 receberia no Hospital Souza Aguiar a notícia de que não voltaria a andar.


Voltou à sua terra natal em 1957 com a disposição de viver, demonstrando uma reação impressionante. O apoio dado pelos amigos e amigas e o carinho das antigas namoradas ajudaram na recuperação fantástica que teve diante do seu grave problema. As conjecturas e prognósticos médicos davam a idéia de que não viveria muito tempo, mas a disposição física e o fato de nunca ter bebido ou cometido outras extravagâncias contrariaram as expectativas médicas e o atleta José Arimatéa venceu mais esta difícil partida.

Em 1958, após concluir por correspondência o curso de eletrônica técnica, montou um transmissor intercalado com serviço de som e em 1963, em homenagem ao rio que banha seu município, fundou a Rádio Vale do Jatobá e a pôs no ar. Esta tornou-se sua maior diversão e da cidade, com uma programação diversificada. A VJ, como passou a ser chamada, informava, prestava serviço e divertia. Em 1966, a partir de denúncias de políticos, o Dentel, então órgão regulador das comunicações no Brasil, fechou a principiante VJ, que passou então a operar com alto-falante. Mas este golpe não pôs fim a sua disposição de alegrar as noites de Ipueiras. O serviço de alto-falante da VJ passou a ser referência de horário e a proporcionar alegria todas as noites.


Na sua trajetória de vida vale registrar que durante a administração do prefeito Antonio Luciano Bonfim ocupou, mesmo preso à cadeira de rodas, o cargo de tesoureiro e na administração do prefeito Gonçalo Erasmo de Medeiros esteve à frente do Serviço de Relações Públicas.

José Arimatéa Catunda, após ter assisitido resignadamente ao tempo passar, recebeu no ano de 1989 do então prefeito de Ipueiras a maior homenagem da sua vida: no dia 30 de abril foi inaugurado o Ginásio Coberto Arimatéa Catunda, justa homenagem que o prefeito Manuel Cavalcante Dias fez a um dos maiores atletas da região. O Ginásio Coberto, um dos mais completos do Estado, é hoje lugar de várias práticas esportivas, dotado de arquibancadas, vestuários, etc.


A VJ e o Ginásio galardoaram este atleta que venceu os prognósticos mais pessimistas e que tem como lema: "Nunca perder a fé em Deus!"

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.