sábado, 9 de julho de 2005

O Forró do Zeca Frosino - Por Bérgson Frota / Fortaleza


Cinqüenta anos atrás era realizado o primeiro forró no sítio Corte Branco, próximo a Ipueiras. Seu criador, Zeca Frosino, passou a organizá-lo todos os anos na primeira lua cheia do mês de julho.

Tal característica mantida até hoje é resquício do tempo em que a energia era rara e a luz forte do luar servia para iluminar o terreiro onde os casais dançavam.

Durante meio século de existência, em apenas um só ano não ocorreu o forró, devido à morte do pai do realizador.

Nos anos posteriores a festa foi se tornando mais organizada, apesar da tradição da lua cheia ser mantida. Hoje não só o salão de dança como a parte de mesas é bem iluminado.

Sendo uma festa tipicamente nordestina, o forró do Zeca Frosino só cresceu com o tempo, sua fama passou a reunir filhos ausentes da terra que já há muitos anos haviam partido.

A festa do Corte Branco é conhecida em quase toda a zona norte do Estado. Há traços folclóricos que ainda são mantidos, um deles é o tronco que antigamente se amarrava os que queriam confusão, só sendo soltos quando o forró terminava.

A modernidade não apagou o brilho desta festa, talvez porque nela Zeca Frosino empenha ainda hoje muito de seu entusiasmo e iniciativa, fazendo com que os participantes sejam respeitados e bem servidos.

Zeca Frosino nasceu no distrito de Abílio Martins, no município de Ipueiras, em 9 de março de 1926, recebeu no batismo o nome de José Batista dos Santos, casou-se e é pai de onze filhos. Sua figura carismática e popular levou-o a receber o apelido pelo qual hoje é conhecido.

O Forró do Zeca Frosino é mais uma prova de pujante resistência das tradições regionais frente ao avançado modismo que toma conta do cotidiano nas cidades interioranas, agredindo de forma clara tradições seculares e valores genuinamente regionais. *PC*

Texto publicado originalmente no jornal O Povo, de Fortaleza.

Bérgson Frota é professor visitante da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA) e professor de Grego Clássico no Seminário da Prainha - Fortaleza.

(048)

Postagem anterior
Próximo Post

Postado por:

0 comentários:

As opiniões expressas aqui não reflete a opinião do Blog Primeira Coluna.