segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Câmara Municipal de Ipueiras concederá Títulos de Cidadania Honorária

O auditório do CRAS/SEDE será palco da cerimônia de entrega de Títulos de Cidadania Honorária dia 22 de novembro, promovido pela Câmara Municipal de Ipueiras. Serão aproximadamente 50 títulos para personalidades reconhecidas pelo município, por meio das indicações dos vereadores.

O título de cidadão foi criado para premiar aqueles que prestam serviços relevantes à cidade. Quando a pessoa não nasce em um determinado município, mas fez algo importante por ele, pode receber um título de cidadania.

A concessão das honrarias foi proposta pelos 13 vereadores, como forma de o Legislativo Municipal reconhecer a atuação daqueles que contribuam com o desenvolvimento de Ipueiras e lutam pela garantia de direito à população.

O presidente da Câmara, Denis Mourão, destaca e agradece a atuação de pessoas em prol do município, "estes por sua vez já moram em Ipueiras há muitos anos", concluiu.

Cidadão

A concessão do título de Cidadão Honorário é uma matéria própria dos poderes legislativos, nas três esferas da federação brasileira. No âmbito do município, está prevista na Lei Orgânica Municipal.

O titulo é dado à pessoa que reconhecidamente tenha prestado relevantes serviços ao município. Cidadão é toda e qualquer pessoa que atue na vida da cidade e de alguma maneira tenha contribuído ou contribua com a história do município.

A pessoa que recebe o titulo de Cidadão Honorário passa a ser um conterrâneo, mesmo que não tenha nascido no município, que lhe concede tal homenagem.

LOCAL: CRAS / SEDE

DATA: 22/11/2018

HORÁRIO: 19

Redação Primeira Coluna

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Governador Camilo Santana reúne secretariado e diz que novo governo terá mudanças

O governador Camilo Santana, eleito para o segundo governo em 2019, afirmou que pretende mudanças para “garantir melhores resultados para a população cearense” em 2019. Ele se reúne na manhã desta terça-feira, 30, com todo o secretariado do governo a fim de avaliar e fazer um balanço de ações e projetos aplicados durante seu último ano do primeiro mandato. Camilo também falou à imprensa que a relação que deve manter com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) é de diálogo, buscando conseguir investimentos para o Estado.

“A eleição terminou, o importante agora é pensar no Brasil e no Ceará. Estarei sempre na luta em defesa do meu Estado, do meu povo do Ceará, isso eu não abro mão de forma alguma”, declarou. “A importancia, ao meu ver, é que o Brasil possa retomar o seu crescimento, com diálogo, respeitar a democracia e a constituição, já é o que o novo presidente sinalizou nos seus pronunciamentos depois de eleito”, complementou.
Na reunião, o governador afirmou que vai priorizar algumas ações até o fim do ano, como obras nas áreas da saúde, educação e estradas que precisam ser concluídas. Ele disse também que as contas estão equilibradas no final do ano e que tem havido um crescimento de investimentos comparado ao ano passado. “Se Deus quiser vamos acabar o ano como acabamos os últimos anos, com as contas fechadas”, projetou.

Fonte: O Povo
Gado sofre com a escassez de água e alimento no sertão do Ceará

Nesta época do ano, com o tempo cada vez mais quente e seco, o rebanho bovino sofre com a falta de pastagem nativa e de água no sertão. Os criadores enfrentam desde 2012 dificuldades para manter os animais. O gado está magro. Quem buscou alternativas como formação de silos para segurança alimentar e reduziu o número de animais ainda se mantém na atividade, mas o quadro é de dificuldades. A partir de junho, no sertão do Ceará, as chuvas ficam escassas até a chegada da pré-estação (dezembro e janeiro) que pode favorecer a formação da pastagem nativa (capim) para alimentar o rebanho. Até lá, é preciso, entretanto, fazer a travessia. Quem percorre rodovias no sertão cearense observa os animais nas roças secas, quase sem mato, lambendo terra e pedras à procura de gramíneas. Nos Inhamuns, em Tauá e Arneiroz, por exemplo, o rebanho sofre com a falta de alimentação. "A situação da pecuária é grave aqui na região", disse o criador Francisco Lima, que mantém uma criação de 20 bichos nas proximidades de Cachoeira de Fora. "Na roça, o gado tenta comer o resto de pasto, mas a terra está seca, sem nada".

Os criadores alegam falta de condições financeiras para comprar ração e capim para alimentar o rebanho. "O gado é criado solto e sofre nesta época do ano", observa o técnico agrícola Marcos Pereira. "Entre Inhamuns e Catarina, as chuvas foram poucas neste ano, e as dificuldades já vêm desde 2012".
Alguns produtores levam os animais para pastar nas margens da rodovia. "É o jeito usar esse capim para não deixar os bichos morrerem de fome", justificou o agricultor Raimundo Rodrigues. O criador colocou duas pessoas, sinalizando os motoristas com anelas para evitar acidentes.

De acordo com relato dos vaqueiros e dos próprios criadores, nos últimos sete anos houve morte e venda de animais mediante as dificuldades para alimentar o rebanho. "Muitos venderam a maior parte do gado porque não tinham como sustentar", disse o agricultor Sebastião Alves. Os produtores rurais mostram-se preocupados com os anúncios de que 2019 será mais um ano com chuvas abaixo da média histórica, de fevereiro a maio. "A gente fica temeroso, mas não perde a esperança", conta o agricultor, Francisco Lavor, da região de Alencar, zona rural de Iguatu. Tecnologias Somente uma parte dos criadores investe em tecnologias alternativas de alimentação do rebanho, priorizando a formação de silos (armazenamento de  capim ou de sorgo forrageiro) para ser usado no período de escassez. ´Já houve avanços e até os anos de seca serviram de ensinamento", observou o gerente da Ematerce em Iguatu, Joaquim Virgolino.

Fonte: Diário do Nordeste

TRE-CE cassa diplomas de prefeito e vice de Tianguá eleitos em junho

A Corte do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará, presidida pela desembargadora Nailde Pinheiro Nogueira, na sessão desta terça-feira, 30/11, cassou, por unanimidade, os diplomas do prefeito e do vice-prefeito de Tianguá, nos Recursos Contra Expedição de Diploma nºs  0600518-37.2018.6.06.0000 e 0600525-29.2018.6.06.0000, ambos da relatoria do juiz Alcides Saldanha Lima.

A Corte determinou a execução do Acórdão após confirmação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nos termos do voto do relator. Até então eles permanecem no cargo.

José Jaydson Saraiva de Aguiar e Mardes Ramos de Oliveira foram eleitos prefeito e vice, respectivamente, no último dia 3 de junho, na eleição suplementar ocorrida no município, após o o indeferimento do registro de candidatura do prefeito nas Eleições de 2016, do prefeito Luiz Menezes de Lima e do vice Aroldo Cardoso Portela.

Entenda o caso

Um dia após o deferimento do registro de candidatura, pelo juízo da 81ª Zona Eleitoral, de José Jaydson Saraiva Aguiar, em 22/5, para as eleições suplementares, o TRE-CE julgou uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral que já tramitava na Corte, mantendo pena de inelegibilidade por 8 anos ao candidato José Jaydson, por abuso de poder econômico/político quando disputava as Eleições 2016 (não eleito).

No dia 11/6, o Tribunal decidiu por unanimidade, que, no momento do pedido de registro da chapa, não havia situação de inelegibilidade, e, portanto, manteve válida a candidatura.

No entanto, nesta terça-feira, 30/11, enfrentando os Recursos Contra Expedição de Diploma, a Corte decidiu pela cassação dos diplomas dos eleitos.

Redação Primeira Coluna
Para Ciro, lulopetismo virou “caudilhismo corrupto e corruptor” que elegeu Bolsonaro

Pelo tom, Ciro Gomes (PDT) estabelece uma clara linha divisória na sua relação com o PT que vem desde as eleições de 2002. Em entrevista ao jornalista Gustavo Uribe, da Folha de S.Paulo, o pedetista expões os motivos que o mantiveram distante do segundo turno da eleição presidencial, afirma que o petismo tem um projeto de poder “de ladroeira” e que o comportamento de “Lula e seus asseclas” elegeu Jair Bolsonarto (PSL). “É muito engraçado o petismo ululante. É igual o bolsominion, rigorosamente a mesma coisa”.

Veja os principais pontos da entrevista de Ciro Gomes.

Sobre ter dito que deixaria a vida pública se Bolsonaro fosse o vencedor.
Do exato momento que disse isso até hoje, ouvi um milhão de apelos de gente muito querida. E, depois de tudo o que acabou acontecendo, a minha responsabilidade é muito grande. Não sei se serei mais candidato, mas não posso me afastar agora da luta. O país ficou órfão.

Candidatura em 2022
Quem conhece o Brasil sabe que você afirmar uma candidatura a 2022 é mero exercício de especulação. Só essa cúpula exacerbada do PT é que já começou a campanha de agressão. Eu não. Tenho sobriedade e modéstia. Acho que o país precisa se renovar.

Confiança no brasileiro
O que aconteceu foi uma reação impensada, espécie de histeria coletiva a um conjunto muito grave de fatores que dão razão a uma fração importante dessa maioria que votou no Bolsonaro. O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto e corruptor que criou uma força antagônica. E o Bolsonaro estava no lugar certo, na hora certa. Só o petismo fanático vai chamar os 60% do povo brasileiro de fascista. Eu não, de forma nenhuma.

A não declaração de voto em Haddad
A gente trai quando dá a palavra e faz o oposto. Quem tiver prestado a atenção no que falei, está muito clara a minha posição de que com o PT eu não iria. Se eu puder, não quero mais fazer campanha para o PT. Eles podem inventar o que quiserem.

Lula e a corrupção
Pega um bosta como esse Leonardo Boff … Qual a opinião do Boff sobre o mensalão e petrolão? Ou ele achava que o Lula também não sabia da roubalheira da Petrobras? O Lula sabia porque eu disse a ele que, na Transpetro, Sérgio Machado estava roubando para Renan Calheiros. 

Os bajuladores de Lula
Gleisi Hoffmann, Leonardo Boff, Frei Betto. Só a turma dele. Cadê os críticos? Quem disse a ele que não pode fazer o que ele fez? Que não pode fraudar a opinião pública do país, mentindo que era candidato?

A recusa em ser vice de Lula
Para essa fraude, fui convidado a praticá-la. Esses fanáticos do PT não sabem, mas o Lula, em momento de vacilação, me chamou para cumprir esse papelão que o Haddad cumpriu. E não aceitei. Me considerei insultado.

Cid e o “Lula está preso, babaca”
O meu irmão foi a um ato de apoio a Haddad, depois de tudo o que viu acontecendo de mesquinho, pusilânime e inescrupuloso. É muito engraçado o petismo ululante. É igual o bolsominion, rigorosamente a mesma coisa. O Cid está lá tentando elaborar uma fórmula de subverter o quadro e é vaiado. Estou devendo o que ao PT?… Fomos miseravelmente traídos. Aí, é traição, traição mesmo. Palavra dada e não cumprida, clandestinidade, acertos espúrios, grana.

A “traição”
[Fui traído]Pelo ex-presidente Lula e seus asseclas. Você imagina conseguir do PSB neutralidade trocando o governo de Pernambuco e de Minas? Em nome de que foi feito isso? De qual espírito público, razão nacional, interesse popular? Projeto de poder miúdo. De poder e de ladroeira. O PT elegeu Bolsonaro.

Cada qual para seu lado
Não quero participar dessa aglutinação de esquerda. Isso sempre foi sinônimo oportunista de hegemonia petista. Quero fundar um novo campo, onde para ser de esquerda não tem de tapar o nariz com ladroeira, corrupção falta de escrúpulo, oportunismo. Isso não é esquerda. É o velho caudilhismo populista sul-americano.

Liberdade de imprensa
Não acho que tem havido nenhuma ameaça à liberdade de imprensa até aqui. Por isso que digo que uma das centralidades do mundo político brasileiro deveria ser um entendimento amplo o suficiente para cumprir a guarda da institucionalidade democrática. E um dos elementos centrais disso é a liberdade de imprensa. A imprensa brasileira nepotista e plutocrata como é parte responsável também por essa tragédia.

Fonte: Focus
Bolsonaro cria um novo programa, o Bolsa Mídia

Jair Bolsonaro diz ser “totalmente favorável à liberdade de imprensa”. Mas esclarece: “Temos a questão da propaganda oficial do governo, que é uma outra coisa.” Informa que veículo de comunicação que se comportar de “maneira indigna”, como a Folha, “não terá recurso do governo federal.”
Faltou esclarecer: 1) Quanto em dinheiro do contribuinte o presidente eleito se dispõe a entregar aos jornais, revistas, portais ou emissoras de rádio e TV que falarem bem dele? 2) Quem não falar mal do capitão também fará jus a um naco do Bolsa Mídia?
Bolsonaro deveria incluir no seu programa de erradicação da imprensa que imprensa a recriação de um velho órgão do Estado Novo. Chamava-se DIP, Departamento de Imprensa e Propaganda. Chefiando-o, o jornalista Lourival Fontes (1899-1967), grande maquiador de imagens, criou para Getúlio Vargas o título de “pai dos pobres”
De resto, será preciso rasgar as normas que atrelam a contratação da publicidade governamental à audiência do contratado. O grosso da verba —coisa de mais de 60%— sai dos cofres de estatais que concorrem no mercado. Mas quem se importa?
O que interessa é que o “Brasil esteja acima de tudo, Deus acima de todos” e Bolsonaro acima de qualquer suspeita. No trecho predileto do capitão (João 8:32), a Bíblia Sagrada ensina: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Quando a verdade oficial for muito preciosa, você, caro contribuinte, decerto não se importará de pagar uma boa escolta de mentiras.
Fonte: Blog do Josias de Souza 
Moro diz que convite de Bolsonaro será objeto de ‘discussão e reflexão’

Após eventual convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para Sérgio Moro chefiar o Ministério da Justiça ou integrar o Supremo Tribunal Federal (STF), o juiz federal declarou nesta terça-feira (30) que ‘caso efetivado oportunamente o convite, será objeto de ponderada discussão e reflexão’.
Moro disse em nota que apenas tem a dizer publicamente que fica honrado com a lembrança do presidente. A interlocutores próximos, Moro tem dito que se, de fato, for convidado para o Ministério da Justiça, vai inicialmente conversar com Bolsonaro para identificar ‘convergências importantes’ e ‘divergências irrelevantes’. Na visão do juiz que ficou famoso pela Operação Lava Jato, o Ministério da Justiça poderia adotar ‘boas iniciativas’.
Em entrevistas ao SBT e à TV Globo, Bolsonaro disse que cogita o nome de Sérgio Moro para o Ministério da Justiça ou para uma vaga no STF.
Fonte: Agência do Rádio

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Em 2019, Eunício pode assumir cargo no Governo Camilo

Quem esperava por um rompimento entre o governador Camilo Santana (PT) e o senador Eunício Oliveira (MDB), se decepcionou. Os dois estiveram juntos nessa quarta-feira, 17, em Brasília para assinatura de convênios e viabilização de recursos para o Estado.

No Ceará, assessores do MDB apontam como certa a participação do senador Eunício na equipe de governo de Camilo no próximo mandato. Pessoas próximas a Eunício garantem que ele terá que adiar sua aposentadoria. Fala-se em secretário da Casa Civil.

Em Brasília, Camilo e Eunício assinaram contrato de financiamento entre o Estado e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no valor de US$ 70 milhões de dólares. A agenda de Eunício e Camilo passou ainda por acompanhamento de projetos e liberação recursos destinados as obras do Hospital Regional do Vale do Jaguaribe.

Madson Wagner é radialista

sábado, 13 de outubro de 2018

Número da candidatura de Bolsonaro é mais lembrado que o de Haddad

Uma pesquisa do instituto Datafolha, divulgada nesta quinta-feira, mostrou que 92% dos eleitores de Jair Bolsonaro - mesmo esta sendo a primeira vez que o militar reformado se candidata - sabem que o número do candidato do PSL à Presidência da República é 17. Por outro lado, a pesquisa aponta que apenas 87% do eleitorado sabe que o número de Fernando Haddad, candidato pelo PT, concorre com o número 13, mesmo esta sendo a oitava eleição nacional do partido.
E esse fenômeno de lembranças e esquecimentos pode ter algumas explicações. Na avaliação do cientista político da FGV Eduardo Grin, os eleitores de Bolsonaro têm muito mais convicção do voto no candidato do PSL, do que os eleitores que vão votar em Haddad.
Além disso, o cientista político explica outra atitude do PT agravou essa situação: o fato de que, até um mês atrás, o Partido dos Trabalhadores não tinha definido, ainda, quem seria o candidato ao Planalto.
Tudo isso, segundo Eduardo Grin, soma-se ao perfil do eleitorado de Bolsonaro, característica que também é decisiva na memorização do número que será escolhido nas urnas.
“O perfil socioeconômico e cultural do eleitor do Bolsonaro é muito mais elevado que do Lula, como mostram as pesquisas. Eleitor com mais escolaridade, mais renda. Um eleitor que se comunica mais pelas redes sociais, tem mais informações e tem mais facilidade em fixar questões como essa de decorar número de candidatura”.
Ainda de acordo com a pesquisa, apenas 7% das pessoas que votam em Bolsonaro não sabem o número do candidato. Por outro lado, 11% dos votantes em Haddad não sabem o número do petista.
Para fazer a pesquisa, o Datafolha foi à 227 municípios e ouviu 3.225 eleitores. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
Fonte: Agência do Rádio
4 coisas que você precisa saber sobre o padre que promoveu missa-comício para Haddad
A internet já está repleta de informações sobre o último tiro no pé dado pela campanha de Fernando Haddad com os cristãos, que teve a ideia genial de ir à missa de Nossa Senhora Aparecida numa paróquia da periferia de São Paulo, comungar em condições ilegítimas, levar consigo a vice comunista que afirmou não ser cristã e fazer uso descarado da igreja para a promoção de sua candidatura. Não pretendo repetir tudo que já está bombando especialmente nas redes católicas, mas destaco alguns pontos que podem ter passado despercebidos sobre o maior responsável por aquela patetice toda: o padre Jaime Crowe.

1) Ele é um fracasso como influenciador

A militância partidária do padre Jaime Crowe para favorecer a candidatura de Fernando Haddad, desde o primeiro turno, não parece ter grande efeito sobre os fiéis que devia pastorear. No dia 7 de outubro, a zona eleitoral do Capão Redondo, à qual pertence o Jardim Ângela, onde fica a paróquia do padre, na periferia de São Paulo, deu vitória tranquila a Jair Bolsonaro. O capitão obteve 36,62% dos votos contra 28,38% do candidato do padre. Ciro obteve 14,7%, Alckmin 8,25% e Amoedo, 4,54%.

Convém destacar que em eleições anteriores essa foi uma região que sempre favoreceu o PT. Isso já era.

2) Ele é um velho amigo do PT

Não foi a primeira vez em que o padre Jaime usa uma missa para favorecer seus amigos no PT. Ele estava na celebração ecumênica da despedida de Lula, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, pouco antes do corrupto e lavador de dinheiro ser levado para a cadeia pela Polícia Federal. Na ocasião, ele manteve-se o tempo todo ao lado de dom Angélico, o bispo socialista que conduziu a “cerimônia”.

Em 2016, ele também já havia homenageado Haddad com o prêmio de Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns. A premiação aconteceu depois das eleições municipais, quando o candidato do PT e então prefeito já havia sido rejeitado pelos eleitores nas urnas, sofrendo derrota no primeiro turno para João Dória, um recém-chegado na política.

3) Ele não é do Brasil

O anfitrião de Haddad, que mandou para aquele lugar a orientação tradicional da Igreja de que clérigos não devem fazer promoção político-partidária, nem sequer nasceu no Brasil. Embora esteja no país desde 1987, ele é irlandês.

4) Ele não responde à arquidiocese de São Paulo

Muita gente está falando horrores sobre dom Odilo Scherer por permitir um absurdo daqueles, mas o cardeal é inocente. Essa confusão ocorre porque, na maior parte do Brasil, as dioceses tendem a cobrir toda uma cidade e ir até além dos limites municipais. Mas não é o caso de São Paulo. A capital paulista é tão grande e tem tantos fiéis que precisou ser dividida em várias dioceses. A do padre petista é a Diocese de Campo Limpo, cujo bispo é dom Luís Antônio Guedes.

Caso algum católico queira manifestar seus sentimentos a dom Luís sobre o ocorrido, esse é o site da diocese. O telefone é (11) 3584-9000 e o endereço da mitra dioceseana é Rua Lira Paulista, 30 – Jardim Bom Refúgio. A diocese também tem página no Facebook.

Até a publicação desse post, o bispo ainda não havia dado declaração alguma sobre a missa-comício sob sua jurisdição.

Fonte: Gazeta do Povo